Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Contra Trump anunciar, anunciar: cinco vídeos que mostram o que aconteceu no intervalo do Super Bowl

O Super Bowl deste ano voltou a bater recordes na publicidade. Tanto no custo dos anúncios, como nas polémicas que estes trouxeram. No mais famoso intervalo do mundo, as mais diferentes marcas deixaram críticas claras ao presidente dos Estados Unidos

VANESSA PORTUGAL

Milhares de pessoas também se manifestaram na plateia

Robert Beck/GETTY

Partilhar

Donald Trump marcou presença na final do Super Bowl deste ano no NRG Stadium em Houston – mas não deve ter gostado do que viu.

Depois de ter subido ao trono, também conhecido por Casa Branca, está prestes a fechar as portas aos refugiados e a imigrantes e os famosos anúncios do Super Bowl não deixaram escapar o tema.

Numa altura em que a política de imigração de Donald Trump é um dos temas mais falados do mundo, o Super Bowl quis também dar o seu parecer. Várias marcas apresentaram as suas posições políticas no famoso intervalo milionário.

A publicidade da Airbnb “Nós aceitamos” foi uma das mensagens mais fortes deste domingo. Porquê? Donald Trump, na semana que passou, assinou um decreto que proíbe temporariamente a entrada nos Estados Unidos de cidadãos de sete países mulçamanos.

A marca lembrou num anúncio de 30 segundos que não existem diferenças entre pessoas com etinas, géneros e idades distintos. Apelou ainda à união das diferentes culturas: “Não importa quem és, e de onde és, quem amas e em quem acreditas, todos nós temos o nosso lugar”.

A Budweiser é conhecida por ter os 60 segundos mais ternurentos do intervalo milionário. Mas, nesta edição, a famosa marca de cerveja deixou o labrador branco em casa e deu-nos a conhecer a história de um imigrante alemão.

“Born The Hard Way” conta a história do percurso de Adolphus Busch (fundador da marca), um imigrante que veio da Alemanha e que chegou a Nova Orleães no século XIX. Foi vítima de discriminação nos Estados Unidos, não desistiu e conseguiu criar a cerveja norte-americana mais famosa do mundo.

A marca tem como lema “não desistir das crenças e sonhos”. Será uma mensagem especial para o presidente dos Estados Unidos?

O "famoso" muro que Donald Trump quer construir na fronteira com o México inspirou duas marcas.

Por outro lado, a marca de materiais de construção 84 Lumber mostra as adversidades de uma viagem entre mãe e filha que abandonaram o país de origem para rumar aos Estados Unidos com o objetivo de procurar uma vida melhor. São banidas por um muro na fronteira.

A Coca-Cola também se juntou na missão de contratariar Donald Trump e a política de imigração. Diz a marca de refrigerantes: “Estarmos juntos é lindo”.

A Audi, por sua vez, olhou para a (des)igualdade de género num anúncio feminista: “A Audi americana está comprometida com os salários iguais para trabalhos iguais”.