Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Ser mulher no desporto é ter um salário menor do que os homens (mesmo quando se conquista mais)

Em 2016, apenas duas mulheres estiveram entre os maiores salários do desporto mundial: Serena Williams e Maria Sharapova

Evandro Furoni

William West/Getty

Partilhar

O desporto geralmente é exaltado por promover a igualdade, mas os desafios de um atleta podem ser completamente diferentes se ele for homem ou mulher. Enquanto o desporto masculino pode pagar valores históricos para os seus melhores atletas, as mulheres geralmente são deixadas em segundo plano, mesmo se forem lendas da modalidade.

Apenas duas mulheres integram a lista dos 100 atletas mais bem pagos em 2016 da revista "Forbes". Serena Williams, número 1 do ranking do WTA e possivelmente a maior tenista de todos os tempos, está na 40ª posição com um rendimento anual de €27,3 milhões. Maria Sharapova é a 88ª colocada, com um rendimento de €20,7 milhões. Por comparação, Roger Federer faturou €64 milhões em 2016.

Ténis: desporto de milionárias, mas abaixo dos homens

O ténis provavelmente é o desporto em que as mulheres tem mais facilidade em faturar milhões. Na lista das dez mulheres com os maiores rendimentos no desporto, oito são tenistas. Além disso, alguns eventos, como o Open dos EUA e o Open da Austrália, pagam exatamente os mesmos valores aos vencedores de ambos os sexos.

Porém, os rendimentos com publicidade continuam com um abismo colossal. Federer faturou apenas €7,3 milhões em prémios, contra €8,4 de Serena, mas o suíço recebeu €56 milhões em contratos de publicidade, enquanto a americana faturou €18.9 milhões.

A diferença de tratamento pode ser vista dentro do próprio circuito do WTA. Sharapova, famosa pela sua beleza, historicamente conseguiu melhores contratos do que Williams. Ela foi ultrapassada pela rival apenas em 2016, ano em que a russa pouco competiu após ser suspensa por doping. Mesmo assim, Sharapova recebeu os mesmos €18.9 milhões dos patrocinadores. Serena conquistou 23 títulos de Grand Slam na carreira, a russa tem cinco conquistas.

No futebol, a desigualdade impera

O mundo do ténis é quase utópico se comparado ao do futebol. A seleção da Alemanha ganhou €338 milhões por conquistar o Mundial de 2014. Um ano depois, os EUA conquistaram o Mundial feminino. O prémio foi de €14,1 milhões.

A diferença entre salários motivou cinco atletas da seleção americana a irem aos tribunais acusar a federação de futebol do país de não respeitar a lei de igualdade em 2016. No ano anterior, a federação local gastou €29,3 milhões com a equipa masculina, contra €9,7 milhões para mulheres.

Os EUA são uma potência histórica no futebol feminino, com três títulos mundiais e quatro ouros olímpicos. O melhor resultado do futebol masculino foi o vice-campeonato da Taça das Confederações em 2009.

Em 2016, o futebol feminino recebeu mais do que o masculino em investimento, €21,8 milhões contra €18,8 milhões. A equipa feminina participou nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, enquanto a masculina não.

A comparação fica ainda mais desigual quando levada para o contexto mundial. A norte-americana Alex Morgan é a jogadora de futebol mais bem paga do mundo, com um ganho anual de €2,8 milhões se somados contratos de patrocínio. Cristiano Ronaldo foi atleta que mais recebeu em 2016, com rendimento de €83,1 milhões.

E as futebolistas norte-americanas podem sentir-se com sorte se comparadas com as colegas no basquetebol. LeBron James tem o maior salário da NBA - €29,2 milhões por ano. A política salarial da WNBA determina que uma mulher pode ganhar no máximo €103 mil por época. Atltas estão a deixar a liga mais tradicional do mundo para ganhar até 15 vezes mais em países como a Rússia.

Voleibol, onde as mulheres dominam

Se há um desporto em que as mulheres são mais valorizadas do que os homens é o voleibol. Os prémios são iguais tanto nas disputas masculinas quanto femininas, e as mulheres estão na liderança do ranking de salários individuais.

A sul-coreana Yeon-Koung Kim é a atleta com o maior salário das quadras, com rendimento anual de €1,2 milhão. O brasileiro Bruno Rezende, o homem com o melhor salário, recebe menos que a metade de Kim, com ganhos de €550 mil por ano.

Confira os atletas com os maiores rendimentos de alguns desportos

Futebol
Masculino: Cristiano Ronaldo - €83,1 milhões.
Feminino: Alex Morgan - €2,8 milhões

Ténis
Masculino: Roger Federer - €64 milhões
Feminino: Serena Williams - €27,3 milhões

Basquetebol
Masculino: LeBron James - €29,2 milhões
Feminino: Diana Taurasi - €1,4 milhões

Voleibol
Masculino: Bruno Rezende - €550 mil
Feminino: Yeon-Koung Kim - €1,2 milhão

Golfe
Masculino: Rory McIlroy - €46,7 milhões
Feminino: Lydia Ko - €5,5 milhões

MMA
Masculino:
Conor McGregor - €20,7 milhões
Feminino: Ronda Rousey - €13,2 milhões

Partilhar