Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Selecionador agrediu jogador? Não, diz a Federação. “O professor Luís Sénica foi cuspido, insultado e ameaçado de morte”

Vídeo do jogo entre Argentina e Portugal parece mostrar o selecionador a agredir um jogador argentino, mas a Federação nega e reage contra as “provocações” do adversário

Expresso

Partilhar

O que parece nem sempre é e o que parece ser uma agressão do selecionador português Luís Sénica ao jogador argentino Lucas Ordoñez não o é (veja abaixo o vídeo), assegura a Federação Portuguesa de Patinagem de Portugal (FPP).

“O Professor Luís Sénica foi cuspido, insultado e, inclusivamente ameaçado de morte. Reagiu com um movimento intimidatório, uma palmada na rede que nunca poderá ser entendido como agressão tendo em conta a amplitude do movimento da rede, apesar do 'teatro' encenado por um jogador adversário. Da mesma forma, o murro que lhe foi dirigido também não passou de um impacto na rede”, esclarece a FPP, em comunicado oficial.

O desentendimento ocorreu na final da Taça das Nações, em Montreux, que a Argentina conquistou por 6-5 perante a seleção portuguesa, tetracampeã da prova.

Depois dos festejos mais exuberantes de Carlos Nicolía - curiosamente, jogador do Benfica -, os portugueses Pedro Henriques e João Rodrigues discutiram com o adversário e o selecionador também se aproximou da mesma zona do campo, ainda que do lado de fora.

"Reconhecemos que o talento dos jogadores argentinos é inegável. Mas o desportivismo de alguns desses jogadores deixa, por vezes, muito a desejar. O que em nada dignifica a classe dos jogadores", lamenta a FPP.

"As provocações ao longo do jogo foram uma constante, perto e longe da bola, com o jogo parado ou a decorrer. O momento de "celebração" do terceiro golo argentino frente à nossa selecção foi apenas mais um desses momentos. Desta feita - naquele instante - o nosso Seleccionador Nacional, Professor Luís Sénica, não conseguiu assistir passivamente ao que se passava, e em defesa dos seus atletas e da Selecção Nacional agiu pelo acumular das provocações já aludidas", acrescenta o comunicado da FPP, que aproveita também para esclarecer que apoia Luís Sénica, ainda que o tenha repreendido.

"O nosso Seleccionador Nacional prima a sua vida e carreira desportiva por valores onde a Ética e o Fair Play marcam presença, qualidades comprovadas ao longo de todo o seu trajecto. A Federação de Patinagem de Portugal não deixa de repreender o ato irrefletido do Professor Luis Sénica com a certeza de que não voltará a acontecer, e não deixa de enaltecer o reconhecimento pelo próprio de que aquele momento não deveria ter existido e o pedido de desculpas apresentado a todo o grupo de trabalho e à Direção logo após o final do jogo."