Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Álvaro Leite correu uma maratona em Pyongyang: “É surreal, uma cidade fantasma onde tudo parece encenado”

A Tribuna Expresso apanhou este maratonista acabadinho de chegar a Boston. Preparava-se para uma corrida pela cidade que recebeu a Maratona na semana passada, mas tirou um tempo para partilhar connosco a sua experiência no país mais fechado do mundo

Sónia Santos Costa

Partilhar

A Coreia do Norte, o país mais fechado do Mundo, abriu as suas ruas e pistas a este a maratonista. Agora, ele conta a história - a possível.

Comissário de bordo e natural do Porto, Álvaro Leite já visitou 99 países, mas dificilmente o centésimo será tão marcante quanto este. Foi um dos quatro portugueses a correr a maratona no país de Kim Jong-un. Todos viram os seus passos seguidos de perto por guias e foram privados de qualquer contacto com o resto do mundo (sem telemóveis, sem internet) durante três dias.

A privação de nutrientes (a comida era essencialmente à base de vegetais, quase nula em hidratos de carbono) e de água dificultaram a já árdua prova. Voltou a Portugal com menos três quilos, mas com uma bagagem bem pesada de histórias para contar.

Como é que se entra no país mais fechado do mundo?
Bem, é obviamente uma tarefa difícil. São rigorosos nas revistas, vêem os telemóveis. De fora têm de ficar livros políticos, sociais, económicos, religiosos, que possam de alguma forma perturbar a ideologia do regime. Ficámos na Coreia do Sul por dois dias com os restantes atletas estrangeiros da competição. Havia ingleses, australianos, holandeses, húngaros, franceses. Fizemos uma viagem de comboio de sete horas, com um cenário completamente rural, até Pyongyang. Percebe-se logo na agricultura que é um país que parou no tempo, não há máquinas nos campos, é tudo muito manual ainda.

Completou a maratona em 3 horas e 23 minutos. A prova tinha algumas particularidades diferentes das outra que já correu?
É uma maratona perfeitamente normal. Igual às outras em termos de distância. Tem uma particularidade, que é onde nós partimos e onde chegamos. No início da maratona houve uma cerimónia de 30 minutos que parecia quase a abertura dos Jogos Olímpicos! Eu já estive em várias provas, vários sítios, e nunca tinha tido esta experiência de estar num estádio cheio, com cerca 60 mil pessoas. Demos uma volta dentro do estádio e depois dividimo-nos em vários grupos, porque havia a maratona, a meia-maratona e os 10 quilómetros. Quando saímos do estádio o percurso foi pelos pontos turísticos da cidade. No geral havia sempre muitos espectadores, as pessoas tentavam interagir connosco, esticavam os braços, pediam para tirar fotografias. Daí eu não me ter preocupado tanto com os tempos e com bater o recorde, e mais com conseguir retirar o máximo destas interações. Tínhamos quatro horas para terminar a prova, era o tempo limite. ao fim desse tempo fechavam o portão do estádio. Houve atletas que já chegaram depois e ficaram de fora. Eu entrei e deparei-me com um ambiente fantástico. Não tenho palavras para descrever. Senti-me uma estrela do futebol. Eles fizeram-nos sentir muito bem, foi uma grande experiência.

Como é que é encarada a prática de desporto em Pyongyang? Têm bons atletas?
Muito bons. Estive três dias lá e reparei na quantidade de pessoas que corriam nas ruas. O atletismo é uma modalidade popular. É barato, só são precisos uns ténis! Não têm ténis tão bons quanto aqueles a que estamos habituados, pareceram-me mais fracos… Mas isso não os impede de correr e de ter bons resultados. Aliás, o primeiro lugar da maratona foi para um atleta da casa. Acabou em 2 horas e 15 minutos e arrecadou os 10 mil euros.

Quais foram os aspetos mais negativos desses três dias?
Em termos psicológicos, a falta de autonomia. Estou habituado a acordar e pensar, por exemplo, “quero ir correr”. E saio para correr. Lá não aconteceu isso. Tínhamos de sair com o guia, não havia liberdade na escolha dos percursos nem fotografar sem pedir, e isso limitou a nossa imersão no ambiente da cidade, porque eles insistiam para andarmos sempre em grupo e não nos afastarmos. Estou convicto de que existe outra realidade, de que o que nos mostraram foi só a parte boa.... Depois, em termos de prova, o abastecimento. Chegou ali a uma fase, a partir dos 30 quilometros, em que já nem água nos davam… Normalmente nas maratonas dão também uma peça de fruta, uma laranja ou banana, mas ali não. Depois percebi que lá a fruta é extremamente cara, um quilo de bananas custa cerca de oito euros. Mas a falta da água foi o pior. Levamos um gel que nos vai alimentando um bocado, mas temos de comer o gel e beber a água de seguida. Estes problemas de abastecimento foram a questão mais negativa que encontrei, face a outras provas.. Mas para mim a alimentação foi o aspeto mais negativo de toda a experiência. A comida local é muito à base de saladas, alguma carne de porco... Não passei fome, até porque também levei barras comigo. Mas faltaram hidratos, massa... Acredito que a culpa tenha sido mais da organização, que não pensou nas necessidades nutricionais de atletas.

Como é que descreve a cidade e o ambiente que lá se vive? Há um clima de guerra iminente entre os EUA e o país, essa tensão sente-se em Pyongyang?
Foi uma cidades mais organizadas que eu já vi até hoje. Em termos de arquitetura, estruturas, segurança. Mas depois vemos edifícios vazios, parece quase uma cidade fantasma onde tudo parece encenado por um guião. E depois têm o metro, que fica a mais de 100 metros de profundidade e que é um esconderijo possível numa situação de ataque. Tive a oportunidade de comprar um jornal local, a edição inglesa, e aí sim, nota-se muito a ideia dos Estados Unidos como o inimigo número 1. No grupo de atletas estrangeiros, havia quatro americanos que não puderam viajar connosco, tiveram de ir de avião. Talvez por não quererem que ele vissem aquelas sete horas de cenário a que nós tivémos acesso durante a viagem de comboio. De resto, é tudo pacífico, silencioso. Não há poluição, vê-se poucos carros. É estranho para quem está habituado ao barulho das ruas das grandes cidades, às buzinas…. Não há publicidade, também. Só propaganda do próprio governo, isso está presente em todo o lado. Têm informadores, e é por isso que ninguém se pronuncia muito.

E a população, como a descreve?
Os norte-coreanos são muito tímidos. Olham para nós com um sorriso, sorriem bastante. Sem saber nada de nós. Houve um dia à tarde em que fomos ver um espetáculo de dança. Encontrámos uns jovens universitários e tentamos interagir com eles, falavam um bocadinho de inglês. Mas já nos tinham avisado para evitarmos fazer perguntas incómodas, relacionadas com o regime. Falei também com os nossos guias, que estão acostumados a ter contacto com estrangeiros, e apercebi-me das suas convicções, que acreditam que aquele modo de vida é um exemplo para o resto do mundo. O que mais guardo são os afetos e os olhares, as emoções do povo. São fantásticos. E depois são todos muito parecidos! Têm aqueles regulamentos para cortes de cabelo, aquele standard imposto pelo governo. A questão que mais me atormentava era: “Será que eles são felizes?”. Eles nunca experimentaram outro tipo de regime, nunca tiveram contacto com outra realidade. Acho que são, à sua maneira, felizes. É um bocado surreal, sim.

Foi para um país sobre o qual não se sabe praticamente nada. Para além da preparação física que a prova exigiu, como se preparou mentalmente?
Pronto, a preparação física não teve grande diferença, foi semelhante à das outras maratonas. Tento conciliar as corridas com as viagens, que são o meu trabalho. É difícil por causa das mudanças dos fusos horários, mas treinar não é difícil, podes correr em qualquer lado. Em termos psicológicos, mentalizei-me de que a melhor maneira de combatermos este tipo de regimes é visitando o país. O facto de nós, ocidentais, falarmos com os próprios guias, tentarmos mostrar a nossa realidade, é um passo importante. E conhecem Portugal! Jogámos duas vezes contra a seleção deles, há uns anos, e a ideia que espalharam por lá foi de que Portugal tinha sido campeão. Assim tinham uma justificação, perderam, mas perderam com os melhores…. Tudo uma questão de propaganda. E depois claro, conhecem o Cristiano Ronaldo.

Pura curiosidade: qual foi a maratona mais difícil que correu até agora, aquela em que se esforçou tanto que chegou a considerar desistir?
Sinceramente, desistir nunca faz parte dos meus pensamentos. Agora, a maratona mais difícil em termos físicos, que me fez pensar “Eu já só quero sair daqui bem”... talvez a dos Himalaias, na Nathu La. Perdi-me lá pelo meio… E o pior ainda foram os 3 quilometros dentro de água, que estava cheia de sanguessugas. Mas apesar das peripécias acabou por correr bem, terminei em segundo lugar. Depois, em termos de desgaste psicológico, a pior foi a Muralha da China, por causa daqueles degraus todos...