Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Adam Peaty tinha medo de água aos quatro anos. Esta semana bateu duas vezes no mesmo dia o seu próprio recorde mundial - a nadar

Já há algum tempo que Adam Peaty anda a bater os seus próprios recordes. Na terça-feira o nadador tornou-se (também) no primeiro homem a bater por quatro vezes a melhor marca mundial dos 50 metros bruços

Fábio Monteiro

Adam Pretty

Partilhar

“Ele costumava começar aos berros sempre que entrava numa banheira [tinha medo de se sentar] e fazia o mesmo quando a mãe o levava à piscina.” Esta memória não seria um bom presságio para nenhum nadador (especialmente para aqueles que acreditam num talento inato à nascença), não fosse o caso de estas serem as palavras de Mives Williams, avó materna do recordista mundial de natação na prova de 50 metros bruços (por quatro vezes).

O que é normal: há recordes que demoram décadas a ser ultrapassados, outros anos e alguns (muito poucos) sobrevivem por algumas horas. O que é genial: um desportista bater um recorde mundial de manhã e à tarde voltar a fazer o mesmo.

O nadador britânico Adam Peaty, 22 anos, conseguiu esse feito esta semana. E logo ele que tinha medo de tomar banho aos quatro anos, conforme contou a avó materna ao “Telegraph” no ano passado.

“A mãe levou-o à piscina e ele não entrava sequer. Depois, passado uma semana, ele foi [à piscina] com um amigo. Não sei o que aconteceu, mas desde esse dia ele começou a ir”, explicou Mavis Williams ao diário britânico.

Se os resultados desta semana foram uma surpresa, foi para quem não conhecia o nome de Peaty. Num desporto que ainda tem Michael Phelps como o principal herói, o nadador britânico, um desconhecido para muitos, parece destinado a marcar a modalidade.

As evidências de talento estão à mostra: Peaty detém também o recorde mundial nos dos 100 metros bruços, fixado nos 57,14 segundos, e já esteve em competição nos jogos olímpicos do Rio em 2016. E não saiu de lá de mãos a abanar, mas com uma medalha de ouro.

Mas isso não quer dizer que Adam Peaty esteja convencido dos seus dotes. Até pelo contrário. “Estava muito nervoso [no ano passado] na qualificação para os Jogos Olímpicos até que um dia o meu cabeleireiro disse-me: ‘Tens o recorde mundial. Para quê é que te estás a preocupar?’ Acho que foi aí que caí em mim e percebi que tinha feito história”, contou ao “Telegraph” ainda semana.

Na terça-feira de manhã, Adam Peaty voltou a dar provas: bateu o recorde dos 50 metros bruços (que já era seu) com o tempo de 26,10 segundos. Depois de almoço, o britânico voltou a competir e atingiu os 25,95 segundos.

Se isto é impressionante, é preciso acrescentar: já há algum tempo que Adam Peaty anda a bater os seus próprios recordes. É que na terça-feira o nadador tornou-se (também) no primeiro homem a bater por quatro vezes a melhor marca mundial dos 50 metros bruços.

Para se manter ao mais alto nível, Peaty alimenta-se do espírito de competição. “Após a competição, nós[nadadores] somos todos amigos e rimo-nos juntos, mas durante as provas é uma guerra. Dou-me bem com os outros nadadores britânicos, mas nem sempre com os de outros países”, revelou ao “Telegraph”.

Talvez seja de uma questão de tempo até ao nome de Adam Peaty ficar na memória de todos os amantes da modalidade.

Em Inglaterra, já está: é um dos três únicos nadadores britânicos, juntamente com David Wilkie e Rebecca Adlington, a ter conquistado medalhas de ouro nas quatro competições desportivas em que o Reino Unido participa: jogos olímpicos, campeonato mundial, campeonato europeu e os jogos da “Commonwealth”.