Tribuna Expresso

Perfil

Modalidades

Vale tudo no caiaque? Atleta japonês admite ter “minado” bebida de adversário com esteroides

O objetivo de Yasuhiro Suzuki era simples: impedir o outro atleta conterrâneo de ser selecionado primeiro para competir nos Jogos Olímpicos de 2020

Expresso

AFP

Partilhar

Há que ser criativo em lidar com a competição, mas dentro das regras. Yasuhiro Suzuki ultrapassou todas as barreiras.

O atleta olímpico japonês de caiaque já não vai representar o país nos Jogos Olimpicos 2020, quando tudo indicava que era isso que ia acontecer. Suzuki confessou que que “minou” uma bebida do adversário Seiji Komatsu com esteroides anabólicos.

Em setembro, testes feitos a Seiji Komatsu acusaram a presença de uma substância proibida nos campeonatos nacionais, que o atleta sempre negou ter consumido.

Foi esta negação insistente da parte de Komatsu que deu origem a uma investigação da Federação Japonesa de Canoagem, no seguimento da qual Susuki revelou ter sido ele a adulterar a bebida de Komatsu.

O objetivo era simples: impedir o adversário de ser selecionado primeiro para competir nos Jogos Olímpicos. Pior: tudo indica que esta não foi a primeira vez que o atleta tentou sabotar um colega.

Segundo o Japan Times, “a Federação de Canoagem descobriu que Susuki tinha feito repetidas tentativas de sabotar outros atletas, para além de Komatsu, chegando mesmo a roubar equipamentos usados nos treinos e nas competições.”

O jornal japonês refere ainda que é recomendado que Susuki seja expulso da Federação. A agência de controlo de doping do país já anunciou que o atleta está banido por oito anos. Já Komatsu vai voltar a competir.