Tribuna Expresso

Perfil

motos

Moto2 : Chuva baralha a corrida

A interrupção, provocada pela chuva, quando a corrida ainda não tinha chegado a meio, provocou uma revolução na corrida de Moto2, na qual o português Miguel Oliveira (KTM) subiu ao pódio pela quinta vez

Pedro Roriz

Mirco Lazzari gp/Getty

Partilhar

Nos momentos que antecederam o início da corrida de Moto2, o asfalto de Brno estava seco nas trajectórias e na maior parte do seu traçado, embora houvesse zonas húmidas, a direcção da prova decidiu que a corrida era efectuada em piso seco, o que implicava que, caso a chuva voltasse, tinha de ser interrompida.

Quando a luz verde acendeu, Miguel Oliveira foi o piloto que reagiu melhor e chegou à primeira curva no comando, muito embora, pouco depois tivesse sido ultrapassado pelos italianos Mattia Pasini (Kalex), Franco Morbidelli (Kalex) e Francesco Bagnaia (Kalex), com os quatro a assumirem o protagonismo.

A situação manteve-se até à sétima volta, altura em que a corrida foi interrompida, numa altura em que Mattia Pasini, Franco Morbidelli e Miguel Oliveira ocupavam os lugares do pódio, com o português entre os dois italianos no momento em que a bandeira vermelha foi mostrada, embora a classificação fosse considerada na volta anterior.

No recomeço o suíço Thomas Luthi (Kalex), que saiu da terceira linha da grelha, fez um arranque fantástico e “saltou” para o comando. Levando atrás de si o espanhol Alex Marquez (Kalex), enquanto Mattia Pasini caia, logo na primeira volta, e Franco Morbidelli “afundava-se” na classificação, para terminar em oitavo e ver a sua vantagem sobre o suíço, que ganhou pela primeira vez este ano, descer para 17 pontos.

Miguel Oliveira acabaria por ser dos homens da frente o único que soube resistir e acabar por garantir o quinto pódio da temporada, embora, pela superioridade demonstrada no primeiro treino livre, quando a pista estava molhada, fosse de admitir que o português pudesse ter entrado na discussão pela vitória.

A corrida de MotoGP ficou, também, marcada pelas condições de aderência do asfalto.

Considerada corrida com pista molhada, a verdade é que o asfalto foi secando e os pilotos depressa foram trocar de moto, para regressarem à pista com motos equipadas com pneus “slicks”.

O momento da troca de moto acabou ser determinante, com o espanhol Marc Marquez (Honda), que foi dos primeiros a trocar de máquina, a dominar de

forma clara, assegurando a terceira vitória, segunda consecutiva, do ano e cimentando a posição de comandante do campeonato.

Os seus compatriotas Dani Pedrosa (Honda) e Maverick Viñales (Yamaha) a completarem o pódio, também eles a beneficiarem do facto de terem sido dos primeiros a parar.

Por sua vez, o espanhol Joan Mir (Honda), que averbou a sexta vitória do ano em Moto3, está cada vez mais perto de garantir a conquista do título, sabendo que para o ano estará na categoria seguinte.

O italiano Romano Fenati (Honda) assegurou o segundo lugar, mas viu a desvantagem pontual para o espanhol subir para 42 pontos, com o espanhol Aaron Canet (Honda) a completar o pódio.

Classificações

Corridas

MOTO2 – 1.º, Thomas Luhti (Kalex), 6 voltas (32,418 km); em 13’39,036” (142,4 km/h); 2º, Alex Marquez (Kalex), a 4,991”; 3.º, Miguel Oliveira (KTM), a 6,983”; 4.º, Luca Marini (Kalex), a 9,190”; 5.º, Xavi Vierge (Tech 3), a 11,064”; 6.º, Simone Corsi (Speed Up), a 15,779”; 7.º, Francesco Bagnaia (Kalex), a 18,431”; 8.º, Franco Morbidelli (Kalex), a 19,743”; 9.º, Remy Gardner (Tech 3), a 19,843”; 10.º, Joe Roberts (Kalex), a 20,168”. Classificaram-se mais 19 pilotos

MOTOGP – 1.º, Marc Marquez (Honda), 22 voltas (118,866 km), em 44’15,974” (161,1 km/h); 2.º, Dani Pedrosa (Honda), a 12,438”; 3.º, Maverick Viñales (Yamaha), a 18,135”; 4.º, Valentino Rossi (Yamaha), a 20,466”; 5.º, Cal Crutchlow (Honda), a 20,892”; 6.º, Andrea Dovizioso (Ducati), a 23,259”; 7.º, Danilo Petrucci (Ducati), a 24,079”; 8.º, Aleix Espargaro (Aprilia), a 30,559”; 9.º, Pol Espargaro (KTM), a 30,754”; 10.º, Jonas Folger (Yamaha), a 33,236”. Classificaram-se mais 10 pilotos

MOTO3 – 1.º, Joan Mir (Honda), 19 voltas (102,657 km), em 44’41,314” (137,8 km/h); 2.º, Romano Fenati (Honda), a 0,350”; 3.º, Aaron Canet (Honda), a 3,078”; 4.º, Bo Bendsneyder (KTM), a 4,598”; 5.º, Juanfran Guevara (KTM), a 4,882”; 6.º, John McPhee (Honda), a 8,343”; 7.º, Marcos Ramirez (KTM), a 9,597”; 8.º, Tatsuki Suzuki (Honda), a 10,234”; 9.º, Adam Norrodin (Honda), a 10,395”; 10.º, Nakarin Atiratphuvapat (Honda), a 10,913”. Classificaram-se mais 20 pilotos.

Classificação dos “Mundiais”, depois da prova checa:

PILOTOS

MOTO2 – 1.º, Franco Morbidelli, 182 pontos; 2.º, Thomas Luthi, 165; 3.º, Alex Marquez, 133; 4.º, Miguel Oliveira, 133; 5.º, Francesco Bagnaia, 87; 6.º, Mattia Pasini, 73; 7.º, Takaaki Nakagami, 69; 8.º, Simone Corsim 63; 9.º, Luca Marini, 54; 10.º, Xavi Vierge, 51. Estão classificados mais 21 pilotos

MOTOGP – 1.º, Marc Marquez, 154 pontos; 2.º, Maverick Viñales, 140; 3.º, Andrea Dovizioso, 133; 4.º, Valentino Rossi, 132; 5.º, Dani Pedrosa, 123; 6.º, Johann Zarco, 88; 7.º, Jonas Folger, 77; 8.º, Danilo Petrucci, 75; 9.º, Cal Crutchlow, 75; 10.º, Jorge Lorenzo, 66. Estão classificados mais 15 pilotos

MOTO3 – 1.º, Joan Mir, 190 pontos; 2.º, Romano Fenati, 148; 3.º, Aron Canet, 126; 4.º, John McPhee, 93; 5.º, Jorge Martin, 89; 6.º, Marcos Ramirez, 89; 7.º, Fabio Di Giannantonio, 85; 8.º, Andrea Migno, 83; 9.º, Juanfran Guevara, 69; 10.º, Enea Bastianini, 59. Estão classificados mais 21 pilotos.

MARCAS

MOTO2 – 1.º, Kalex, 250 pontos; 2.º, KTM, 136; 3.º, Suter, 66; 4.º, Speed Up, 63; 5.º, Tech 3, 57

MOTOGP – 1.º, Yamaha, 200 pontos; 2.º, Honda, 191; 3.º, Ducati, 162; 4.º, Aprilia, 42; 5.º, Suzuki, 40; 6.º, KTM, 23

MOTO3 – 1.º, Honda, 245 pontos; 2.º, KTM, 134; 3.º, Mahindra, 11; 4.º, Peugeot, 5.

EQUIPAS

MOTOGP – 1.º, Repsol Honda Team, 277; 2.º, Movistar Yamaha MotoGP, 272 pontos; 3.º, Ducati Team, 199; 4.º, Monster Yamaha Tech 3, 155; 5.º, Octo Pramac Racing, 108; 6.º, LCR Honda, 75; 7.º, Pull&Bear Aspar Team, 67; 8.º, EG 0,0 Marc VDS, 66; 9.º, Reale Avintia Racing, 52; 10.º, Aprilia Racing Team Gresini, 42; 11.º, Team Suzuki Ecstar, 41; 12.º, Red Bull KTM Factory Racing, 29

Próxima prova – Grande Prémio da Áustria, dia 13 de Agosto, no Red Bull Ring – Spielberg