Tribuna Expresso

Perfil

Multimédia

A brincar, a brincar, Cantona falou a sério sobre o Football Leaks. Está tudo num vídeo

A figura com barriga e de barba grisalha, que nos últimos tempos tem vivido por Lisboa, arrancou o último dos seus vídeos meio humorísticos à investigação aos documentos do Football Leaks, na qual o Expresso está envolvido. E Eric Cantona deixa uma observação talvez pertinente: “Quer queiram, quer não, o futebol só pode ser um reflexo da nossa sociedade. Não é um debate moral, é um debate legal”

Diogo Pombo

Comentários

Partilhar

Há muito tempo que Eric Cantona é um tipo especial. Era-o já quando jogava à bola, quando era o mauzão que não punha filtros entre o que pensava e o que dizia, e pontapeava um adepto no peito, durante um jogo, por dele ouvir coisas que não gostou. Arrumadas as chuteiras, ele passou a ser um tipo engraçado. Porque já tem piada ver como alguém que tinha mais do que jeito para o futebol (antes do 7 do Manchester United ser de Beckham e de Ronaldo, foi dele) foi experimentando coisas como o futebol de praia e ser ator de cinema.

Até que o francês, já com barriga e barba grisalha, começou a fazer uns vídeos para o canal Eurosport, que não parecem ser sérios porque ele mistura humor e sarcasmo com temas que interessam. Cantona - que reside em Lisboa há uns meses -, sempre de camisa aberta, ou até de tronco nu, aparece sentado no trono de um sofá, às vezes até com um ceptro na mão, a falar num inglês aprisionado em sotaque francês, sobre tudo e mais alguma coisa. Esta semana, calhou ser sobre o Football Leaks (e não só).

Num vídeo que dura quatro minutos, Eric Cantona começa por soltar um longo suspiro, antes de “Football Leaks” e fazer um resumo dos dados e documentos que têm sido publicados pelo EIC, consórcio de jornalistas no qual o Expresso participa, no seu jeito direto, sincero e sem floreados:

“Football Leaks. Junta alguns grandes nomes, grandes números, colocá-os nos jornais e entrega-os à justiça das multidões. É engraçado como pensamos que, por ganharem muito dinheiro e por os termos como ídolos, os jogadores de futebol deviam ser mais exemplares. Quer queiram, quer não, o futebol só pode ser um reflexo da nossa sociedade.

Se permitimos que as grandes empresas multinacionais façam otimização de impostos e que alguns bancos encorajam a evasão fiscal, não podemos culpar o negócio do futebol por usar as mesmas lacunas. Não é um debate moral, é um debate legal. Se não é legal fazê-lo, castiguem-nos! Ótimo, mas castiguem todos! Se é legal e não gostamos, mudemos a lei.

É uma questão de os nossos políticos ganharem coragem [Cantona usa uma expressão mais coloquial] e tratarem disso. Não estou muito otimista que a situação venha a mudar em breve.”

Feita a introdução, Cantona, que usou esta série de vídeos - que esteve bastante ativa durante o Campeonato da Europa, por exemplo - se intitulou de Comissário do Futebol, passa depois por urgir a defesa do Manchester City a “parar de jogar ao Mannequin Challenge” e por apresentar a sua candidatura ao cargo de selecionador das Ilhas Virgens Britânicas.

O território, conhecido por ser um paraíso fiscal, onde vários jogadores mencionados nos documentos do Football Leaks possuem contas offshore, permitiu ao ex-internacional gaulês fazer uma piada - “Já posso contar com três dos mais famosos residentes fiscais para se juntarem à equipa: Ronaldo, Di María e Pastore… E é só o começo!”