Tribuna Expresso

Perfil

vídeo

Sporting sob suspeita no andebol: SIC teve acesso a conversas de alegados intermediários sobre valores a pagar a árbitros

O Ministério Público está a investigar suspeitas que envolvem o Sporting na compra de árbitros de andebol. A SIC teve acesso a várias conversas entre um empresário e um suposto intermediário, nas quais se fala em valores a pagar aos árbitros

SIC Notícias

Partilhar

Numa das conversas a que a SIC teve acesso, de um lado está Paulo Silva, o alegado intermediário, e João Gonçalves, um suposto interlocutor, em abril do ano passado, antes do importante ABC - FC Porto. E é Paulo Silva a passar a informação do que estaria a ser feito junto do árbitro.

Paulo Silva, que se apresenta como empresário de futebol e se assume agora como intermediário num alegado esquema de corrupção, confessa ao "Correio da Manhã" ter recebido de comissão 350 euros por cada árbitro de andebol que conseguia comprar. Confessa ter cometido vários crimes e na conversa com o jornal diz que agiu por "sportinguismo".

Aponta o dedo a André Geraldes, o homem forte do futebol do Sporting, que estava o ano passado à frente das modalidades dos leões. Assumiu o cargo no desporto rei depois da saída de Otávio Machado.

Paulo Silva assume nunca ter falado diretamente com André Geraldes ou com outra pessoa da estrutura do Sporting. Garante, no entanto, que Geraldes era quem chefiava o esquema pelas mensagens que viu e sublinha o papel de João Gonçalves, o interlocutor.

Numa resposta enviada à SIC e ao Expresso, o Ministério Público, através da Direção de Investigação e Ação Penal do Porto, reconhece a existência de um inquérito a este caso e sublinha que a investigação está em segredo de justiça.

Com base nas conversas agora conhecidas, Paulo Silva, o empresário intermediário, é uma das figuras centrais juntamente com Gonçalo, também este empresário, outra das vozes que apontam para sinais de eventual corrupção.

Em finais de maio do ano passado, o Sporting conquistou o campeonato de andebol e terminou um jejum de 16 anos nesta modalidade.

Entretanto o Sporting reagiu, em comunicado, dizendo estar a ser alvo de uma "campanha que visa denegrir a imagem da instituição".

(Notícia atualizada às 13h34)