Tribuna Expresso

Perfil

Mundial 2018

Ministro israelita: “Não pretendo deixar que os membros do Hamas detidos nas nossas prisões vejam os jogos do Mundial”

O ministro da Segurança Interna israelita, Gilad Erdan, anunciou que tenciona proibir os prisioneiros palestinianos do Hamas de assistirem pela televisão aos jogos do próximo Campeonato do Mundo de Futebol, que arranca em junho, na Rússia

Lusa

Partilhar

"Não pretendo deixar que os membros do Hamas detidos nas nossas prisões aproveitem os jogos do Campeonato do Mundo, enquanto temos reféns e corpos de soldados israelitas na Faixa de Gaza", disse Erdan numa entrevista ao ´site´ de notícias israelita YNet.

Todos os detidos têm o direito de ver televisão de acordo com os regulamentos prisionais, mas Erdan está atualmente a avaliar com os serviços a possibilidade de uma mudança nesta regra até o início do Campeonato do Mundo de Futebol, que começa no dia 14 de junho.

"Aqueles que escolheram aliar-se à família das nações que apoiam o terrorismo não podem desfrutar de uma competição desportiva que reúna pessoas", acrescentou o ministro.

Os restos mortais de dois soldados israelitas - Oren Shaoul e Hadar Goldin - mortos em Gaza, em 2014, estão nas mãos do Hamas.

Além disso, dois civis israelitas, ambos declarados "mentalmente instáveis", estão dados como vivos e sob o controlo do mesmo movimento em Gaza. Eles são Avera Mengistu, um judeu de descendência etíope, e Hisham Al-Sayed, um árabe muçulmano.

Cerca de 6.500 palestinianos estão detidos em prisões israelitas, segundo o Clube dos Prisioneiros Palestinianos.