Tribuna Expresso

Perfil

Mundial 2018

Diz-me onde te deitas, dir-te-ei quem levas ao Mundial

Roberto Martínez, o treinador da seleção belga que, este sábado, defronta Portugal, está fulo, porque a reportagem de uma televisão belga mostrou os supostos 23 convocados finais para o Mundial (quando ainda há 28 jogadores a treinarem), ao filmar as etiquetas dos colchões que terão sido encomendados para o centro de estágio da equipa na Rússia

Diogo Pombo

Photonews

Partilhar

Como em qualquer história, a teoria do que seria a vida de Roberto Martínez até segunda-feira, à semelhança de outros treinadores de seleções que vão jogar ao Mundial e escolheram não 23, mas, provisoriamente, mais uns quantos jogadores, era esta - ele teria ainda mais uns dias para matutar, ver como treinam, vê-los a jogar um particular, tirar dúvidas, deliberar mais um pouco e, depois, decidir.

O selecionador da Bélgica, cujo tal encontro particular será feito contra Portugal, este sábado, teria, portanto, ainda cerca de 48 horas para cortar cinco entre os 28 futebolistas que tem treinado, enviar a lista dos 23 convocados finais à FIFA e dizer que é com esses que tentará fazer um brilharete na Rússia.

Porque os belgas, e isto não é de agora, estão a viver uma das suas gerações de ouro e a fazer figas que Martínez extraia tudo o que há de bom em tipos como Eden Hazard, Romelu Lukaku, Kevin de Bruyne, Moussa Dembélé, Vincent Kompany ou Thibault Courtois.

Até aqui, a teoria é banal e Roberto Martínez já a saberia de trás para a frente: está à frente de uma seleção forte, da qual muito se espera, que nunca conquistou o que seja e terá na Rússia talvez a melhor oportunidade de se pôr a jeito de ganhar.

Só que, depois, veio a prática, que já não lhe estava a ser favorável a partir do momento em que não convocou um Radja Nainggolan, o médio hiper tatuado e mauzão da AS Roma, e piorou com a reportagem que, na sexta-feira, a VTM passou na televisão belga.

O trabalho centrou-se num amontoado de colchões, empacotados e por estrear, de uma empresa chamada LS Bedding, especializada em criar modelos que se adaptam a coisas como o peso, a altura e a estrutura corporal de quem é suposto lá deitar-se. Ou seja, são fabricados já sabendo de quem se tratam essas pessoas.

Nas filmagens, cada colchão está etiquetado com o nome e, supostamente, a federação belga já tinha encomendado 23 colchões - o que fez o canal de televisão fazer contas e chegar à conclusão que Leander Dendoncker, Matz Sels, Jordan Lukaku, Adnan Januzaj e Christian Kabasele serão os jogadores cortados da convocatória.

Um corte que Roberto Martínez só irá anunciar na segunda-feira, após o encontro contra Portugal.

O que deixou o treinador espanhol fulo e algo enraivecido, como fez questão de o mostrar na sexta-feira. "Não houve qualquer lista enviada para os nossos parceiros. É claro que não há qualquer verdade nesta história. É um boato, mesmo que fosse obrigado de fazer agora lista, ainda não seria capaz de a fazer", disse, na conferência de imprensa onde anteviu o jogo, que se realizará em Bruxelas.

Martínez lamentou, ainda, que "infelizmente" já está "habituado a ver histórias que, na verdade, não [os] afetam", criticando que "quem fez esse trabalho de detetive deveria ter ligado ao assessor de imprensa" da federação belga.

Verdade ou não, a prática deu um berbicacho ao selecionador: primeiro, quem viu e soube dos colchões verá se Leander Dendoncker, Matz Sels, Jordan Lukaku, Adnan Januzaj e Christian Kabasele jogam contra Portugal; depois, se algum deles ficará na lista final que desvendará na segunda-feira.