Tribuna Expresso

Perfil

Mundial 2018

Porque é que Bernardo Silva deve ser o nosso novo Ronaldo

O Mundial acabou para nós mas o futuro começa agora. Tiago Teixeira, analista de futebol, explica de que maneira é que o foco das atenções na seleção portuguesa deve passar para (os) Bernardo(s)

Tiago Teixeira, analista

Foto Getty

Partilhar

Conhecem o jogo eletrónico chamado Tetris? Sábado, dei por mim a imaginar o mister Fernando Santos a jogá-lo. As peças a caírem, uma por uma, lentamente, mas o mister a revelar muita dificuldade em perceber onde encaixá-las melhor. O tempo de jogo ia passando e os espaços vazios eram cada vez mais, porque as peças não estavam a ser encaixadas no sítio mais correto. No fim, tivemos apenas um amontoado de peças, todas desorganizadas, e uma pontuação bastante mais fraca do que era exigido.

No Tetris humano a que chamamos seleção portuguesa de futebol, o mais evidente erro de encaixe tem um nome: Bernardo Silva. Por toda a qualidade técnica e inteligência com que o jogador do Manchester City constrói e cria, era ele a peça-chave, aquela que podia ter elevado a qualidade do futebol praticado, mas tal não foi possível. Atenção: não por culpa própria, mas sim pelo contexto que o rodeava. E que contexto foi esse?

Para continuar a ler o artigo, clique AQUI
(acesso gratuito para Assinantes ou basta usar o código que está na capa da revista E do Expresso, pode usar a app do Expresso - iOS e android - para fotografar o código e o acesso será logo concedido)