Tribuna Expresso

Perfil

Contos do Mundial

Bem-vindo à festa, Radamel!

Após a ausência no Mundial 2014, por causa de uma lesão quando estava melhor forma da carreira, El Tigre tem finalmente a oportunidade de deixar a sua marca no maior palco de todos. A Tribuna Expresso publica aqui a quarta história de pequenas histórias de todos os Mundiais

Tiago Oliveira

Falcao a marcar um dos golos da vitória da Colômbia sobre a França, num jogo de preparação para o Mundial 2018, comepetição onde se vai estrear

Getty Images

Partilhar

É um dos pontas de lança mais marcantes da sua geração, com 288 golos na sua carreira futebolística e 29 golos pela seleção colombiana, da qual é o melhor marcador de sempre. Numa carreira preenchida com títulos individuais e coletivos, falta a Radamel Falcao ainda deixar a sua marca na maior competição do mundo do futebol. Será agora?

Após a Colômbia ter falhado o apuramento para o Mundial da África do Sul, em 2010, tudo parecia estar pronto para "El Tigre" brilhar em 2014 no Brasil. A cumprir a sua primeira época no então projeto milionário do Mónaco - após quatro anos no FC Porto e Atlético de Madrid onde para muitos se afirmou como o melhor ponta de lança do mundo - Falcao dava mostras de estar no auge da sua forma e, com um elenco de suporte de luxo (com James Rodriguez à cabeça) prometia fazer mossa.

Desejo que se esfumou a 22 de junho de 2014. No que era suposto ser uma eliminatória sem história da Taça de França contra uma equipa das divisões inferiores, o defesa do Chasselay, Soner Ertek, tentou tirar a bola ao avançado com uma entrada de carrinho. Sem que nada o fizesse prever, tudo mudou, quando Falcao caiu mal e, agarrado à perna, deixou uma nação com o coração nas mãos.

Apesar das esperanças que se foram alimentando numa possível recuperação milagrosa, o médico português que operou o colombiano, José Carlos Noronha, confirmou o pior: rotura do ligamento anterior cruzado do joelho esquerdo e, pelo menos, seis meses de ausência. A consternação foi tal, que o presidente da Colômbia visitou o atacante que, ao longo da recuperação, chegou a "pensar em abandonar o futebol", como contou ao site da UEFA.

A ausência da sua estrela não impediu a Colômbia de chegar aos quartos-de-final do Mundial, mas a via sacra de Falcao continuou por mais tempo. Após dois empréstimos sem sucesso ao Manchester United e Chelsea, em que pouco jogou, El Tigre parecia estar longe do seu melhor e as suas exibições pela seleção teimavam em não se aproximar do nível anterior. Até que Leonardo Jardim apostou no avançado como o ponta de lança experiente da jovem equipa do Mónaco que, surpreendentemente, ganhou o campeonato francês e, mesmo sem a explosão de antigamente, os golos voltaram a aparecer. Que o digam clube e seleção.

Agora com 32 anos, e de volta à titularidade indiscutível e com golos importantes pela seleção, chegou finalmente a oportunidade de ver um dos grandes nomes do jogo no maior palco de todos. Que seja bem-vindo.

  • Olá, o meu nome é Cubillas. Esta é a trivela

    Mundial 2018

    A estrela peruana (que passou pelo FC Porto) marcou um dos livres mais famosos da história do Mundial em 1978, com um gesto técnico pouco habitual nas bolas paradas. A Tribuna Expresso inaugura, aqui, a primeira história de histórias de todos os Mundiais

  • O penálti de Baggio que deu o tetra ao Brasil

    Mundial 2018

    No último pontapé do Mundial 1994, Roberto Baggio mandou a bola por cima da baliza e lançou o delírio canarinho nos EUA. O momento que marcou a carreira do melhor jogador da competição. A Tribuna Expresso publica aqui a terceira história de pequenas histórias de todos os Mundiais