Tribuna Expresso

Perfil

Grupo C

O Peru nem merecia (outra vez) mas Mbappé não foi de sentimentalismos na vitória gaulesa

O golo do jovem avançado francês foi a diferença entre as duas equipas num jogo em que o Peru dominou a França durante largos períodos de tempo. Mas os gauleses é que seguem para os oitavos à custa dos sul-americanos

Tiago Oliveira

Mbappé confirma sobre a linha de golo o único tento do jogo

Getty Images

Partilhar

Dois jogos, duas exibições de encher o olho, duas romarias de adeptos entusiasmados, duas derrotas por 1-0 e eliminação consumada. É a história de vida do Peru neste Mundial 2018, ao qual já só resta o último jogo frente ao Austrália para juntar alguns pontos às vitórias morais. Facto consumado aos pés de uma França que mais uma vez venceu pela margem mínima e mais uma vez não convenceu. Com a pequena diferença de já estar nos oitavos.

As críticas às exibições dos principais candidatos ao título tem sido outra das constantes da competição e a França não escapou. Falta de fio de jogo, futebol pouco imaginativo e peças mal colocadas foram as principais falhas apontadas, com as opções táticas de Deschamps à cabeça. O selecionador que pareceu puxar a mão à palmatória quando entrou para este jogo com Giroud em campo, Griezman mais pelo centro e uma função mais livre para Pogba.

Se a intenção era libertar a equipa, os primeiros minutos mostraram que a letargia não se curava com um mero paliativo. Até porque do outro lado o Peru voltou a entrar com a força que tinha impressionado no primeiro jogo com a Dinamarca.

Os primeiros dez minutos foram de domínio intenso, com os sul-americanos galvanizados pelo regresso à titularidade de Guerrero a partirem para cima da defensiva gaulesa. Que, quando o coletivo não funciona, podem sempre valer-se de um dos mais fortes conjuntos de individualidades da prova. Daí que, sem fazerem muito por isso, tenham acumulado três grandes oportunidades de golo logo após esse período. Griezmann, por duas vezes, e Varane estiveram muito próximos do golo e pareciam colocar a França rumo ao domínio.

Puro engano. O Peru voltou a colocar de novo a intensidade ao rubro, com Carrillo (que pertence ao Benfica) a dar água pela barba aos defesas francesas, com muitas difculdades em lidar com a sua velocidade e poder de finta. Pressão que esteve muito próxima de resultar em golo quando após uma boa jogada coletiva, Guerrero não faturou porque Lloris fez uma grande defesa. E quem não marca... Quer dizer, não é preciso completar, já sabe o que aí vem.

Pontaria no ferro

Após uma boa abertura de Pogba aos 39 minutos, Giroud rematou de pronto coma bola a sair prensada e a sobrevoar o guardião Gallese até aos pés de Mbappé que, sobre a linha de baliza, só teve que confirmar. O 1-0 ainda podia ter sido ampliado até final da primeira parte mas a falta de acerto não permitiu.

Sabendo que uma derrota o atirava para fora da competição, Ricardo Gareca fez duas alterações ao intervalo e colocou a equipa definitivamente com o pé no acelerador, sem que a França tivesse grande capacidade de resposta. E até esteve prestes a ser recompensado logo aos 50 minutos, quando um grande remate de longe de Aquino só parou no poste esquerdo da baliza francesa.

Aquino coloca as mãos à cabeça após o seu remate de longe ter embatido no poste esquerdo da baliza de Lloris

Aquino coloca as mãos à cabeça após o seu remate de longe ter embatido no poste esquerdo da baliza de Lloris

Getty Images

Infortúnio que não esmoreceu o Peru que, apoiado por mais de 25 mil adeptos, continou a atacar mas já sem oportunidades de golo tão claras, com a exceção de alguns cruzamentos perigosos e remates que ainda foram provocando calafrios. Com o passar dos minutos, a França começou a responder melhor e fez uso da sua superior qualidade individual para aguentar o último ímpeto e segurar a bola, sem nunca impressionar.

O final deixou os franceses com presença confirmada nos oitavos mas com um futebol que ainda levanta muitas dúvidas. Já o Peru sai de competição com a cabeça erguida, vergado aos pés de duas derrotas pela margem mínima em duas boas exibições. Chegou para a festa.