Tribuna Expresso

Perfil

Nigéria

Raio X: Nigéria, jovens ou experientes, mas todos fortes e velozes

A Tribuna Expresso apresenta as 32 seleções presentes no Mundial 2018, uma por uma. Eis a Nigéria, que partilha o Grupo D com Argentina, Croácia e Islândia

Tiago Teixeira, analista de futebol

Uma coisa é certa: a Nigéria tem um dos equipamentos mais bonitos do Mundial 2018

IAN KINGTON/GETTY

Partilhar

Ranking FIFA: 48º
Presenças em Mundiais: 6 (1994, 1998, 2002, 2010, 2014 e 2018)
Jogos no Mundial 2018: Croácia (16 junho, 20h, SportTV); Islândia (22 junho, 16h, SportTV); Argentina (26 junho, 19h, SportTV)

O experiente alemão Gernot Rohm tem ao seu dispor um misto de juventude e experiência na seleção nigeriana. Organizada no sistema de jogo 4-3-3, tem como aspeto mais negativo a pouca coordenação defensiva, procurando resolver a maior parte dos problemas defensivos através de duelos individuais.

Ofensivamente, a Nigéria faz da velocidade a sua principal arma, pelo que o momento do jogo onde são mais perigosos é a transição ofensiva.

No meio-campo destacam-se Obi-Mikel, do Tianjin, pela qualidade com que inicia a transição ofensiva, e Wilfred Ndidi, do Leicester, pela capacidade que demonstra na recuperação e condução de bola.

Na frente, a explosão e velocidade de Victor Moses, do Chelsea, e a qualidade técnica de Iwobi, do Arsenal, serão as principais fontes de criação, enquanto Iheanacho, do Leicester, e Musa, do CSKA, serão os maiores responsáveis pela finalização.

Onze provável

Jogador chave

Victor Moses é um dos jogadores mais decisivos da Nigéria

Victor Moses é um dos jogadores mais decisivos da Nigéria

Charlotte Wilson/Offside

Victor Moses, 27 anos, é ala direito no sistema de Antonio Conte no Chelsea, mas, na seleção, é a extremo que a sua velocidade é fundamental para criar desequilíbrios.

Jogador a seguir

Alex Iwobi, jogador a seguir com atenção na Nigéria

Alex Iwobi, jogador a seguir com atenção na Nigéria

NurPhoto

Alex Iwobi, 22 anos, extremo do Arsenal que também pode atuar como médio ofensivo, destaca-se pela inteligência e qualidade técnica com que cria, procurando muitas vezes temporizar em vez de acelerar.

Convocados

Guarda-redes: Ikechukwu Ezenwa (Enyimba), Daniel Akpeyi (Chippa United/África do Sul) e Francis Uzoho (Deportivo/Espanha).

Defesas: William Troost-Ekong (Bursaspor/Turquia), Shehu Abdullahi (Bursaspor/Turquia), Leon Balogun (Brighton/Inglaterra), Kenneth Omeruo (Chelsea/Inglaterra), Bryan Idowu (Amkar Perm/Rússia), Chidozie Awaziem (FC Porto/Portugal), Elderson Echiejile (Bruges/Bélgica) e Tyronne Ebuehi (Benfica/Portugal).

Médios: Mikel Obi (Tianjin Teda/China), Ogenyi Onazi (Trabzonspor/Turquia), John Ogu (Hapoel Be'er Sheva/Israel), Wilfred Ndidi (Leicester/Inglaterra), Oghenekaro Etebo (Feirense/Portugal) e Joel Obi (Torino/Itália).

Avançados: Odion Ighalo (Changchun Yatai/China), Ahmed Musa (Leicester/Inglaterra), Kelechi Iheanacho (Leicester/Inglaterra), Alex Iwobi (Arsenal/Inglaterra), Simeon Nwankwo (Crotone/Itália) e Victor Moses (Chelsea/Inglaterra).