Tribuna Expresso

Perfil

Raio X às 32 seleções

Raio X: Rússia, a anfitriã ambiciosa de quem se espera pouco

A Tribuna Expresso apresenta as 32 seleções presentes no Mundial 2018, uma por uma. Eis a Rússia, que partilha o Grupo A com Arábia Saudita, Egito e Uruguai

Tiago Teixeira, analista de futebol

Stanislav Cherchesov é o selecionador russo desde 2016

Peter Kovalev/Getty

Partilhar

Ranking FIFA: 66º
Presenças em Mundiais: 11 (1958, 1962, 1966, 1970, 1982, 1986, 1990, 1994, 2002, 2014 e 2018)
Jogos no Mundial 2018: Arábia Saudita (14 junho, 16h, RTP1 e SportTV); Egito (19 junho, 19h, SportTV); Uruguai (25 junho, 15h, SIC e SportTV)

Depois de uma campanha desastrosa no Europeu de 2016, a federação russa decidiu dispensar Leonid Slutsky e entregar o comando da seleção a Stanislav Cherchesov, que já tinha orientado a equipa entre 1992 e 2000.

O objetivo proposto foi atingir as meias-finais do Mundial, algo que parece utópico quando se analisa a prestação da seleção anfitriã do Mundial na Taça das Confederações, em 2017: perdeu com Portugal, perdeu com o México e só ganhou à Nova Zelândia, pelo que não passou da fase de grupos.

O sistema de jogo utilizado desde a entrada de Cherchesov tem sido o 3-5-2, onde em organização defensiva (aí em 5-3-2) a seleção russa sente dificuldades para controlar a largura no setor intermédio, uma vez que defende apenas com três jogadores na linha média.

A nível ofensivo, muito do que a seleção russa for capaz de fazer durante o Mundial passará por jogadores como Dzagoev - médio do CSKA muito forte tecnicamente e criativo – e Smolov, avançado do Krasnodar que esta época fez 14 golos e 6 assistências.

Onze provável

O onze provável da Rússia, num sistema de 3-5-2

O onze provável da Rússia, num sistema de 3-5-2

Jogador chave

Igor Akinfeev, o veterano da Rússia

Igor Akinfeev, o veterano da Rússia

JOE KLAMAR/GETTY

Igor Akinfeev, 32 anos, experiente guarda-redes, é um dos veteranos russos. Joga no CSKA desde 2003 e na seleção desde 2004, conta com 104 internacionalizações e é capitão tanto na seleção como no clube.

Jogador a seguir

O jovem Aleksandr Golovin (à esquerda) é um dos talentos russos

O jovem Aleksandr Golovin (à esquerda) é um dos talentos russos

NurPhoto

Aleksandr Golovin, 22 anos, médio centro do CSKA, é um jogador com muita qualidade técnica ao nível do passe e remate, que poderá ter muita influência no sucesso do ataque russo.

Convocados

Guarda-redes: Igor Akinfeev (CSKA Moscovo), Vladimir Gabulov (Club Brugge/Bélgica) e Andrey Lunev (Zenit São Petersburgo).

Defesas: Vladimir Granat (Rubin Kazan), Fedor Kudryashov (Rubin Kazan), Ilya Kutepov (Spartak Moscovo), Andrey Semenov (Akhmat Grozny), Sergei Ignashevich (CSKA Moscovo), Mario Fernandes (CSKA Moscovo) e Igor Smolnikov (Zenit São Petersburgo).

Médios: Yuri Gazinskiy (Krasnodar), Alexsandr Golovin (CSKA Moscovo), Alan Dzagoev (CSKA Moscovo), Aleksandr Erokhin (Zenit São Petersburgo), Yuri Zhirkov (Zenit São Petersburgo), Daler Kuzyaev (Zenit São Petersburgo), Roman Zobnin (Spartak Moscovo), Alexsandr Samedov (Spartak Moscovo), Anton Miranchuk (Lokomotiv Moscovo) e Denis Cheryshev (Villarreal/Espanha).

Avançados: Artem Dzyuba (Arsenal Tula), Aleksey Miranchuk (Lokomotiv Moscovo) e Fedor Smolov (Krasnodar).