Tribuna Expresso

Perfil

NBA

O show tem que continuar. E Magic Johnson voltou para fazer os Lakers sonhar

A lenda dos Los Angeles Lakers é o novo presidente das operações de basquetebol. Magic Johnson, que jogou 13 épocas no clube e venceu cinco títulos da NBA, assume o comando dos Lakers, numa altura em que o clube está a passar por uma das piores crises de sua história

Evandro Furoni

Elsa/Getty

Partilhar

Poucos desportistas são tão sinónimo de Los Angeles quanto Earvin "Magic" Johnson.

A cidade que respira o glamour de Hollywood vê no basquetebol dos Los Angeles Lakers não apenas um desporto, mas um show - o "Showtime". Johnson, grande nome da equipa que fez história ao conquistar cinco títulos da NBA. entre 1979 e 1988, volta ao Staples Center. onde se tornou uma lenda. Agora não mais para dar assistências quase impossíveis, mas como diretor de uma equipa que tem sido sinónimo de derrotas nos últimos anos.

Johnson foi anunciado na terça-feira como chefe de operações dos Lakers. Magic já fazia parte da direção da equipa da camisola dourada desde o início do ano, mas assume as decisões em relação ao basquetebol. É o resultado de um processo de reestruturação geral, após mais um ano desastroso. Na atual temporada, são 39 derrotas e apenas 19 vitórias - o terceiro pior registo da NBA.

O regresso do armador dá esperança aos adeptos dos Lakers, carentes de alegrias nos últimos anos. Magic, apelido recebido pela jogadas quase mágicas que fazia, foi por três vezes eleito o melhor jogador da NBA.

O "Showtime", equipa da qual foi protagonista, ao lado de Kareem Abdul-Jabbar, revolucionou o basquetebol americano com as suas jogadas em velocidade e de efeito. Atualmente, os Lakers correm o risco de terem o pior período de quatro anos de sua história: de 2013 até ao momento, a equipa acumula 84 vitórias. Só nas suas duas primeiras temporadas, o "Showtime" teve 114 vitórias.

Não será tarefa fácil. A equipa de Los Angeles não tem uma grande estrela desde a saída de Kobe Bryant, na época passada. A tradição em Los Angeles é de gastar muito e ter pelo menos dois ou três craques dentro da quadra, mas, nos últimos anos, têm-se visto uma maior aposta em jovens.

Em 2017, pelo menos, a tendência é que a política passe por não investir muito na equipa, já que uma má campanha da Conferência Oeste da NBA pode garantir a escolha de bons nomes no próximo draft. Os Lakers, inclusive, anunciaram, também na terça-feira, a venda de Lou Williams, eleito o melhor sexto homem da liga em 2015, para o Houston Rockets, com o objetivo de melhorar o seu poder de negociação para a próxima temporada.

No basebol, ainda falta o título

Os Los Angeles Lakers não é são a única equipa da qual Johnson faz parte da direção.

O ex-jogador também faz parte do conselho de administração dos LA Dodgers, equipa de basebol da cidade. O grupo que Magic integra assumiu o comando em 2012, com o objetivo de acabar com a seca de títulos da equipa, que dura desde 1988.

Até o momento, os Dodgers ainda não conseguiram chegar à World Series, a final do basebol americano, mas, em quatro oportunidades, já terminaram a temporada regular no primeiro lugar da sua conferência.