Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

Fernando Pimenta e as folhas mortas

Nicolau Santos

Partilhar

Fernando Pimenta é um excelente canoísta, mas nunca deve ter ouvido “Les Feuilles Mortes”, de Yves Montand. Mas foi dessa música que me lembrei quando ele no final, lágrimas nos olhos, nos explicou porque não ganhou qualquer medalha em K1 1000, depois de ter liderado durante mais de meio quilómetro.

“Fiz um arranque supertranquilo, consegui tomar a frente da prova e no momento em que ainda estava a ganhar avanço aos adversários entrei numa zona com folhas de árvore e, infelizmente, algumas ficaram agarradas à frente do barco. Perdi velocidade para tirar essas folhas da frente. Depois perdi o controlo do barco porque algumas devem ter ficado agarradas ao leme. E a partir daí foi sofrer para tentar minimizar os estragos”.

Esta é a explicação de Pimenta. As folhas, segundo um polícia militar disse ao “DN”, são de uma castanhola, uma árvore que dá castanhas. Portanto, Pimenta levou uma castanholada. Ou não? Um membro da Federação Portuguesa de Canoagem diz que as folhas não travam um caiaque “mas provocam atrito e isso pode retirar, por vezes, até dois quilómetros de velocidade”. Os atletas da Dinamarca e da Eslováquia, (7º e 8º lugares), que partiram ao lado de Pimenta, também se queixaram do mesmo. O eslovaco saiu mesmo com uma folha na mão. O presidente da FPC, Vítor Félix, foi mais brando com as folhas e menos com Pimenta: “É claro que ele hoje não fez a prova dele precisamente por isso. Mas as folhas estão ali, é igual para todos. Portanto, não há desculpas”.

Cá fora, o que pareceu foi que Pimenta teve cabeça a menos e folhas a mais. Arrancou disparado para uma prova de um quilómetro. É o que fazem muitos atletas em provas de fundo e meio-fundo e que acabam sempre por perder a posição cimeira em que andaram durante a primeira parte das provas. E depois deu a ideia que não teve forças para acompanhar os outros canoístas. Olhe-se para o ritmo com que os que lhe estavam mais próximos metiam o remo na água e como o fazia Pimenta. As diferenças são evidentes. Foram as folhas ou a falta de cabeça? E veja-se o que aconteceu com o vencedor. O espanhol veio de trás, sempre em crescendo, e terminou num sprint impressionante que lhe deu a medalha de ouro.

Mas pronto, Pimenta abdicou de muita coisa nos últimos quatro anos para ganhar uma medalha – dos amigos, da sobremesa, etc - e é seguramente muito bom rapaz. A gente perdoa. Vê se te redimes no K4 1000 na sexta-feira. Mas antes vai à net e procura “Les Feuilles Mortes” de Yves Montand. Vai à tradução para perceberes: “As folhas mortas são recolhidas/ vês, eu não me esqueci/ As folhas mortas são recolhidas/ lembranças e remorsos também". E para a próxima não nos venhas de novo com a desculpa dos “fatores externos”. Não há paciência. E os campeões que são mesmo campeões ganham a toda a gente – mesmo aos fatores externos.