Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

E pronto: Jesus impôs o seu modelo ao Sporting

Nicolau Santos

Partilhar

O Sporting tinha um modelo de desenvolvimento do clube assente na formação. Jorge Jesus tem um modelo assente na contratação de jogadores estrangeiros maduros. Após o fecho do mercado, ficou claro que o modelo que passou a vigorar em Alvalade é o de Jorge Jesus.

Nos últimos dias do mercado de transferências soube-se que o Sporting emprestou a outros clubes Carlos Mané, Podence, Wallyson e Iuri Medeiros, todos jogadores formados na academia de Alcochete – e já antes tinham ido Tobias Figueiredo, da seleção de sub-21 (assim como Carlos Mané), André Martins, Ryan Gauld, Geraldes, Filipe Chaby, Palhinha…

Em contrapartida foram contratados para a equipa principal (ou cedidos por outros clubes) Joel Campbell, Bas Dost, Luc Castaignos, Douglas e Markovic.

Fica assim perfeitamente claro que, se havia uma aposta na formação leonina, essa aposta está agora claramente em perda perante o modelo que Jesus tem na cabeça. E esse modelo passa por contratar jogadores estrangeiros experientes, que possam entrar de imediato na equipa principal, e que levem o Sporting a tornar-se campeão este ano.

Não é nova esta orientação de Jesus. Pô-la em prática no Benfica, onde obteve resultados, mas à custa da desvalorização completa da formação, repescada o ano passado por Rui Vitória (que chegou a campeão muito por ter dado oportunidade a um jovem vindo da formação, Renato Sanches).

Por isso, o que Jesus acaba de impor ao presidente Bruno de Carvalho (mas seguramente com o aval deste) é o seu modelo para ser campeão este ano. A formação não ganha campeonatos, na ótica de Jesus. Portanto, há que ir buscar jogadores com experiência e traquejo em vários campeonatos para chegar ao cetro máximo do futebol nacional no mínimo tempo possível – ou seja, este ano.

Sim, porque não tenhamos dúvidas: para Jesus mas também para Bruno de Carvalho, ser campeão este ano é crucial. Se isso não acontecer, os dois serão seguramente muito contestados.

Importa, no entanto, sublinhar que todas as compras que foram feitas se deveram à venda de João Mário (um típico produto da formação) e de Slimani (que não sendo da formação, se tornou um jogador muitíssimo melhor em Alvalade do que era quando chegou). Ora jogadores experientes têm menos margem de progressão quando forem transacionados. E já agora, a espinha dorsal da equipa, assenta em Rui Patrício, Adrien e William Carvalho (a quem podemos juntar dois jogadores com um grande futuro pela frente, Rúben Semedo e Gelson Martins).

Ora provavelmente nenhum deles teria chegado à equipa principal se o modelo de Jesus já estivesse implantado no clube há cinco anos. E provavelmente há alguns valores atuais da formação que estão desde já tapados pelos estrangeiros que chegaram e impossibilitados de mostrar o que valem na equipa principal do clube (para além de Gelson e Semedo terem os seus lugares em risco com a vinda de Campbell, Markovic e Douglas).

É verdade que todos os sportinguistas querem ser campeões. Mas não a qualquer custo. Os sportinguistas orgulham-se da sua academia e dos inúmeros jogadores que dali têm saído e alcançado o topo em todo o mundo. Ganhar a Liga à custa de reduzir a cinzas a importância da formação será uma vitória de Pirro, com elevados custos no futuro. E um modelo que colapsará quando Jesus deixar Alvalade.