Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

A novos começos

Ana Bispo Ramires

Comentários

Partilhar

“Para ganhar um Ano Novo que mereça este nome, você, meu caro, tem de merecê-lo, tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, mas tente, experimente, consciente. É dentro de você que o Ano Novo cochila e espera, desde sempre."

Carlos Drummond de Andrade

Este poema de Carlos Drummond de Andrade toca num ponto fundamental da nossa evolução: sermos capazes de mudar... ou, mais do que isso, sermos proactivos na busca da mudança.

Efetivamente, seja qual for o contexto que se possa estar a considerar, o que é um facto é que, se queremos procurar um resultado diferente na nossa vida, alguma coisa temos que mudar... E, essa mudança, começa dentro.

E, demasiadas vezes, esse é o grande desafio.

Demasiadas vezes ouvimos atletas responsabilizar os treinadores pela sua falta de oportunidades, demasiadas vezes observamos treinadores responsabilizar atletas e/ou árbitros pela “falta de sorte”.

De igual forma, frequentemente ouvimos professores queixarem-se de alunos, alunos de professores, coreógrafos de bailarinos, bailarinos de coreógrafos... e, possivelmente, esta lista seria infindável.

De facto, por tradição ou educação, parece que todos temos sido “pré-programados” para questionar tudo e todos que estão à nossa volta e, muitas vezes, apenas em última instância (e nem sempre!), questionarmo-nos a nós próprios.

A generalidade da literatura que tem sido produzida na área da Psicologia do Desporto, em contexto de alto rendimento, estejamos a falar de atletas ou treinadores, tem apontado alguns fatores de sucesso, dos quais, a propósito deste artigo, gostaria de destacar.

Mark Kolbe/Getty

Focam-se apenas no que controlam - por outras palavras, focam-se, quase exclusivamente, no seu próprio comportamento e no que podem fazer para atingir níveis superiores de performance. Para este tipo de atletas/treinadores, cada treino assume-se como uma oportunidade... uma oportunidade para melhorar “aquela” ação específica que, mais cedo ou mais tarde, os aproximará do objetivo que desejam.

Então, o DESAFIO que este poema transporta, passa precisamente por este aspeto:

Sermos capazes de QUESTIONAR o NOSSO PRÓPRIO COMPORTAMENTO, avaliarmos em que medida ele já se encontra no patamar que desejamos e em que medida precisamos mudar para continuarmos a ser capazes de aproveitar cada treino, cada dia, como uma oportunidade de consolidação ou otimização da nossa performance.

Atletas e treinadores (e, em última análise, todos nós) têm, se assim o escolherem, a possibilidade de usar cada experiência (cada sucesso mas, ainda mais importante, cada erro/fracasso..) como motor de otimização das suas próprias competências.

O ponto de partida, para todos nós, é ao mesmo tempo, muito óbvio: começarmos por nós próprios, por todos os “pequenos nadas” que podemos corrigir, antes sequer de dedicarmos um minuto que seja a questionar o comportamento dos outros.

365 dias, 365 oportunidades... muito mais do que um mero “cliché”, é o desafio que acabou de nos bater à porta!

A Psicologia da Performance encontra-se especificamente direcionada para o delineamento de planos específicos de treino de competências psicológicas, para a promoção de desempenhos de excelência, através da elevação das capacidades psico-emocionais e físicas dos sujeitos, em contextos de superação (desportivo, académico, empresarial e Vida, de uma forma geral).