Tribuna Expresso

Perfil

Opinião

Nicolau Santos

Nicolau Santos

Diretor-Adjunto

O melhor reforço do Sporting é... o videoárbitro

Nicolau Santos

Partilhar

Em dois jogos, o Sporting foi beneficiado por duas decisões do videoárbitro. No jogo contra o Mónaco, marcou primeiro a equipa monegasca, mas havia quatro jogadores fora-de-jogo e um deles teve influência no lance, colocando-se à frente de Patrício; no jogo contra a Fiorentina, o golo de Bas Dost é anulado pelo fiscal de linha, mas quase dois minutos depois, com recurso ao videoárbitro, o árbitro da partida validou o golo – e o Sporting venceu o troféu Cinco Violinos que estava em disputa.

Conclusão: as novas tecnologias ajudam e muito à verdade desportiva. E Bruno de Carvalho é quem mais se tem batido pela sua introdução nos jogos de futebol.

Está feita a prova: as novas tecnologias não resolvem tudo, mas esclarecem muito. Sobretudo ajudam os árbitros a corrigir ou confirmar decisões, com recurso a elas. Nesta batalha pela verdade desportiva, é justo salientar um comentador (Rui Santos) e um presidente (Bruno de Carvalho). Desde que chegou à presidência do Sporting, Bruno de Carvalho tem apresentado várias propostas para tornar o futebol mais verdadeiro. A sua defesa da utilização das novas tecnologias foi finalmente adotada pela Federação Portuguesa de Futebol, por decisão corajosa de Fernando Gomes, e entra em vigor em pleno esta época.

Não haverá mais problemas? Claro que haverá. Aliás, é extraordinário como no golo de Bas Dost contra a Fiorentina, que todos os espectadores que estavam em casa tiveram a possibilidade de confirmar logo na primeira repetição que era legal, os dois videoárbitros, segundo o "Record", tiveram dúvidas. Com efeito, depois do fiscal de linha Nélson Moniz ter assinalado o fora-de-jogo (um erro admissível dada a rapidez da jogada e o número de jogadores na área do clube viola), o árbitro João Pinheiro solicitou de imediato a ajuda do videoárbitro (VAR). Contudo, essa ajuda terá sido inconclusiva, refere o "Record". Ora a pergunta é: como é que dois árbitros profissionais e internacionais tem dúvidas numa jogada que, na repetição, se vê perfeitamente que é legal?

Gabriele Maltinti/Getty

Talvez seja de perguntar quem eram os árbitros que estavam na cabine a ver as imagens. Pois, o inefável João Capela (de que qualquer sportinguista não se esquece, depois de uma exibição miserável num Benfica-Sporting no Estádio da Luz, em que aos 20 minutos já havia dois penáltis por marcar a favor do Sporting) e o não menos inefável Artur Soares Dias, que num FC Porto-Sporting não marcou uma jogada de basquetebolista de um defesa azul e branco dentro da área e cuja penalidade, a ser marcada, daria o 3-3 para os leões. Pois a ajuda de Capela e Soares Dias foi inconclusiva. E pois, João Pinheiro, mostrando firmeza nas dúvidas que tinha, foi ele próprio ver a repetição da jogada – e ficou sem nenhum dúvida. O golo era legal como era óbvio para quem estava a ver o jogo na televisão. Como é que Capela e Soares Dias tiveram dúvidas? Mistério!

Agora, para que o sistema funcione, ele tem de estar presente em todos os jogos, embora haja campos onde a colocação das câmaras não vai seguramente ser a melhor. Não podem, contudo, ser apenas os grandes a serem escrutinados. Também para os pequenos estas novas tecnologias são fundamentais para limitar jogadas de bastidores que possam empurrar uma equipa para fora da I Liga ou mantê-la lá, em qualquer caso injustamente.

Outra questão é saber quando é que o árbitro decide recorrer ao videoárbitro. Por protestos dos jogadores? Do público? Ou só por iniciativa do árbitro? E só em jogos oficiais ou também amigáveis? É que no FC Porto-Deportivo da Corunha, o segundo golo dos azuis e brancos é marcado em fora-de-jogo. Mas ninguém protestou e não houve videoárbitro – ou, se havia, os árbitros ajudantes não avisaram o árbitro principal da irregularidade.

Em qualquer caso, esta é uma batalha que Bruno de Carvalho venceu e tem de se lhe dar todo o mérito por isso. Embora a equipa principal ainda tenha várias lacunas, erros e omissões, o Sporting tem para já um excelente reforço: o videoárbitro. Com ele, a verdade desportiva passa a ser muito mais verdadeira.