Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Lopetegui quer ou não Casillas para adjunto? Houve almoço em Matosinhos

Julen Lopetegui almoçou a sós, esta quarta-feira, com Iker Casillas. “Marca” escreve que o ex-treinador do FC Porto convidou Casillas para adjunto da seleção; o AS, citando o próprio Lopetegui, diz que não há nada

Isabel Paulo

Partilhar

Poucas horas após o regresso de Roma, Iker Casillas almoçou a sós com o ex-treinador do FC Porto em Matosinhos, num encontro que se prolongou além das 15h. Segundo o Expresso apurou, o local escolhido foi o “5 Oceanos”, restaurante de peixe e marisco frescos situado na órbita da restauração dedicada aos grelhados, em Matosinhos - zona muito apreciada por Lopetegui no ano e meio que viveu no Porto.

Captados por um grupo de conterrâneos numa mesa próxima, a foto de Lopetegui e Casillas foi publicada esta quarta-feira tarde no site da “Marca”, cedida pelo “Diário GOL”. O site do jornal espanhol avança que Lopetegui iniciou uma ronda de contactos com diversos internacionais, entre os quais o guarda-redes que chegou ao Dragão pela sua mão e não foi feliz na primeira época no FC Porto.

De acordo com a “Marca”, o agora selecionador espanhol terá viajado para o Porto para “convidar para seu adjunto” o eterno guardião da La Roja, que terça-feira, na vitória frente à AS Roma, se apurou para jogar a sua 18º edição da Champions.

A “Marca” refere que Lopetegui irá debutar na seleção espanhola frente à Bélgica no próximo dia 1 de setembro, em Bruxelas, sendo anunciada a convocatória na próxima sexta-feira. Os jornais espanhóis avançam que haverá novidades significativas na seleção. Mas o AS tem uma versão totalmente diferente: citando o próprio Lopetegui, explica que o encontro foi casual - o treinador foi ao Porto resolver um problema pessoal e aproveitou para se encontrar com Lopetegui.

Ao que o Expresso apurou junto de fonte próxima dos portistas, o clima na equipa de Nuno Espírito Santo “é de lua de mel”, nada fazendo prever que Casillas troque o FC Porto pelo banco da seleção antes do final do contrato, “até pelo milionário salário que aufere e que não iria certamente receber como adjunto da seleção”.