Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Pinto da Costa assume fracasso nos cofres mas acredita na retoma (e em Espírito Santo)

Na mensagem enviada à CMVM, Jorge Nuno Pinto da Costa afirma que o exercício 2015/16 não correu bem, embora acredite o FC Porto está a iniciar um novo período de sucesso, como sucedeu ciclicamente no passado

Isabel Paulo

Comentários

MIGUEL RIOPA

Partilhar

Na nota prévia do Relatório e Contas enviado, esta manhã à CMVM, o presidente do FC Porto afirma que a última época não correu bem. “Desportivamente, a equipa de futebol ficou muito aquém das nossas expetativas e do valor 'per si' dos nossos jogadores”, escreve Pinto da Costa na mensagem apresentada ao regulador do mercado.

A reformulação da equipa técnica durante a época, em janeiro, e, de novo, no final da temporada foi a “consequência do fracasso desportivo”, destacando o líder portista a contratação de Nuno Espírito Santo: “Um antigo jogador do clube, com um profundo conhecimento da nossa matriz e da nossa ambição”.

Apesar dos mais pesados prejuízos desde a criação da SAD há 19 anos, Pinto da Costa diz acreditar “firmemente” que o clube está a iniciar um novo período de sucesso, “à imagem do que ciclicamente aconteceu no passado”.

Para cimentar a retoma em campo e nos cofres, o presidente do FC Porto adianta que a administração da SAD optou por manter todos os jogadores considerados nucleares para a presente época. “Certamente já esta temporada retiraremos os dividendos desportivos e financeiros desta estratégia”.

A equipa portista segue em segundo lugar da Liga, a par do Sporting, a três pontos do líder Benfica. Na Champions, após a convincente vitória frente à Roma da eliminatória de apuramento para a fase de grupos, a equipa de Espírito Santo arrancou em falso com um empate caseiro no jogo com o Copenhaga e uma derrora na visita a Leicester.