Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Angelino Ferreira: “As comissões a Alexandre Pinto da Costa levantam questões éticas”

O antigo vice-presidente do FC Porto, responsável pelo pelouro financeiro da SAD de 2010 a 2014 e que saiu em rutura com o clube, acedeu a comentar o Relatório e Contas 2015/16 na condição de analista financeiro. O administrador de empresas do Grupo AEP (Associação Empresarial de Portugal) diz não ter ficado surpreendido com os prejuízos históricos da SAD face à quebra de mais-valias na transação de jogadores e aos crónicos défices de custos operacionais. Angelino Ferreira critica a política de comissões da SAD, que devia abster-se de intermediar negócios com o filho de Pinto da Costa. Defende que a saída de Antero Henrique foi uma perda para a estrutura portista e afirma que não faz parte dos seus horizontes candidatar-se à presidência do clube ou SAD

Isabel Paulo

Partilhar

Ficou surpreendido com os prejuízos consolidados da SAD de €58,4 milhões?
Confesso que não, até porque o resultado do 3º trimestre já era negativo em €37 milhões, e as mais-valias caíram para os €40 milhões, metade do ano anterior.

Devido à ausência de títulos?
O sucesso desportivo é como o código postal — é meio caminho andado. O sucesso desportivo e financeiro estão interligados. As duas linhas de negócio do futebol, nacional e europeu, são as receitas associadas ao espetáculo, ao jogo, e à venda de jogadores, sendo o nosso problema a excessiva dependência dessas receitas. No caso do Benfica menos, que tem um modelo de negócio mais estruturado.

Foi o único a apresentar lucro em 2015/16, mas tem o maior passivo, quase €500 milhões.
E tem uma dívida financeira de mais de €300 milhões, que é o dobro do FC Porto e Sporting, mas tem ativos bem maiores do que os adversários. E uma exploração operacional positiva, ao contrário do FC Porto, desequilibrada nos tais €58,4 milhões. Mas todos terão de fazer uma reestruturação financeira, sob pena de terem de recorrer a investidores estrangeiros.

A saída de Antero Henrique foi uma antecipação?
Desconheço. Mas confesso que foi uma surpresa, um sinal de que o FC Porto está a atravessar uma crise institucional.

Foi uma perda?
Em minha opinião uma perda irreparável. Não há insubstituíveis, mas era um quadro experiente, que acrescentava valor à SAD. Mas também é verdade que os resultados dos últimos anos foram em parte da sua responsabilidade, na medida em que era o CEO do futebol. A variável determinante é a gestão desportiva...

Porquê a crise? Pinto da Costa 
já não tem o poder que antes tinha?
Desde logo porque há uma crise desportiva, crise na política de transferência de jogadores e crise financeira.

Antero Henrique era quem decidia as contratações? Os treinadores é que são escolha direta do presidente?
O órgão máximo de governo da SAD é o Conselho de Administração e, naturalmente, é sempre o responsável máximo por todas as decisões.

A SAD fez bem em não vender Herrera, André Silva e Danilo por €95 milhões? O administrador do pelouro financeiro, Fernando Gomes foi uma opção concertada com Espírito Santo.
As opções ficam com quem as toma. Defendo que a venda de ativos deve obedecer não só a critérios desportivos como financeiros. A venda de ativos pode desvalorizar o plantel, mas também é verdade que não assegurar a sustentabilidade financeira pode provocar danos irreparáveis. Estamos a falar de negócio, que tem de obedecer a critérios de racionalidade económica...

ESTELA SILVA/LUSA

Não foi uma opção racional?
Não. Nos negócios do futebol impera o momento, a oportunidade, daí não ser compreensível que não se tenha vendido um ou outro jogador.

Há gestão que resista a 85 jogadores sob contrato? A SAD pagou mais de €3 milhões por jogadores emprestados...
A política de excedentários e de comparticipação salarial dessa ordem não é sustentável. Além de que é preciso somar, no caso dos emprestados de último ano, sinal de que se desiste deles, o custo da amortização e respetivas imparidades. Caso do Helton, Ghilas e muitos outros.

As rescisões com Lopetegui, Peseiro e Helton custaram €4,4 milhões...
Foi mais uma despesa a somar à despesa com pessoal.

O desvio de prejuízos apresentados à UEFA foi de quase €50 milhões. A equipa corre o risco de não jogar nas competições europeias por incumprimento do Fair Play Financeiro?
Não. Há um cardápio de sanções, desde coimas a retenção de dinheiros das provas da UEFA, como aconteceu com o Sporting. Os auditores do FCP chamaram a atenção para o facto de a SAD não cumprir o break-even, que é a regra-base do Fair Play Financeiro. Ou seja, apresentou prejuízos superiores a €5 milhões num ciclo de três anos, situação que pode ser resolvida com um aumento de capital e o cumprimento de uma série de medidas impostas pela UEFA, mediante um contrato de ajustamento.

Que tipo de contrato?
Redução de orçamento, limitação do número de jogadores a inscrever na Champions ou Liga Europa, que em vez de 25 podem ser 22 ou 23 ou impedimento na contratação de jogadores. Faz parte da terapia para sanar incumprimentos, como a questão dos capitais próprios negativos da SAD de €31 milhões, que também acontecem no Sporting.

Fernando Gomes já anunciou que o clube vai reduzir €25 milhões à massa salarial, rubrica que na última época foi de €75,7 milhões...
Terão de fazê-lo, apesar de não ser fácil fazer ajustamentos de uma época para a outra dado os contratos com jogadores serem plurianuais.

A SAD pagou na última época €15 milhões em comissões de transferências a 25 entidades, num ano de crise de vendas Justifica-se?
É preciso relativizar em função do volume de negócios. É uma questão de racionalidade, mas é de facto um valor elevado, tal como o número de entidades envolvidas face às transações. O problema das comissões é que não se pagam apenas aquisições e vendas, mas também o comissionamento nas renovações e celebração de primeiros contratos profissionais de jogadores da formação da casa.

Faz sentido?
A administração é que tem de ponderar qual é a sua estratégia, embora a minha leitura seja bem diferente nessas matérias. São comissões no mínimo questionáveis.

A SAD pagou no último triénio €465 mil de comissões à Energy Soccer, sociedade de Alexandre Pinto da Costa. É uma relação eticamente aceitável?
É uma situação que levanta questões de ética. Era preferível que tal não acontecesse, pois trata-se de uma sociedade desportiva pública, cotada em bolsa, que obedece a determinados comportamentos de governação.

A intermediação com a empresa do filho do presidente colide com as regras das sociedades cotadas?
Não está em causa apenas a intermediação de um agente de um lado e a SAD do outro. Mesmo que não haja conflito de interesses legais, há questões de transparência.

A entrada de Alexandre Pinto da Costa na órbita do FC Porto, mesmo sem cargos, precipitou a crise institucional e a saída de Antero Henrique?
Não estou a par dessa situação. Já saí há mais de dois anos.

Demitiu-se do cargo de administrador financeiro há dois anos e meio, depois de ter dado uma entrevista a defender a necessidade de a SAD baixar a massa salarial do plantel.
A minha saída teve que ver com a estratégia de gestão de SAD que não era coincidente com a da maioria. Embora tenha havido outras razões mais ponderosas, que essas guardo-as para mim. É passado.

A crise financeira e o jejum de títulos há três anos podem abrir a discussão da sucessão de Pinto da Costa, até agora um tema tabu no clube?
Não creio que a liderança do presidente esteja em causa. O tema não está na agenda, é uma questão que caberá aos sócios, no tempo certo.

Encara ser candidato à presidência do clube ou da SAD?
Não está nos meus horizontes como projeto de vida. Não tenho motivação.

Onde assiste aos jogos no Dragão?
No meu lugar anual.

Foi uma das vozes mais contestatárias do último processo eleitoral...
Critiquei enquanto sócio a forma como o processo foi invertido. Se o FC Porto é o principal acionista da SAD e a designação da maioria dos seus administradores é feita pelo clube, é uma questão de princípio, e de legitimidade, que primeiro se façam eleições no clube. E neste mandato, as eleições na SAD ocorrem um mês antes das do clube. Não concordo.

Foi por isso que acabou por não votar?
Não. Fui votar, como sempre fiz, recolhi os boletins e fui-me embora quando me apercebi de que o ato, que deveria ser secreto, não foi digno de um clube com a grandeza do FC Porto.

Entrevista publicada na edição de 29 de outubro de 2016 do Expresso