Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Nuno Espírito Santo de pedra e cal até à Champions

A sete pontos do Benfica e já afastado da Taça de Portugal, Nuno estreia-se esta terça-feira na Taça da Liga, contra o Belenenses, instigado a redimir-se do penoso ciclo de quatro jogos sem vencer, mas ainda sem a chicotada a pesar-lhe sobre a cabeça. Decisiva para a sobrevivência do treinador será a vitória frente ao Leicester na milionária Champions, daqui a uma semana

Isabel Paulo

Partilhar

O FC Porto enfrenta esta terça-feira a equipa do Belenenses 72 horas depois do amargo empate a zero golos no Restelo, resultado que deixou os dragões mais longe do líder da Liga e o seu treinador cada vez mais tremido junto da descrente massa associativa.

Em Chaves, perdida a Taça de Portugal a penáltis, o técnico que prometeu devolver “o portismo” perdido à sua antiga equipa mas ouviu recrudescer os coros de assobios dos adeptos, cada vez mais sonoros e acompanhados dos primeiros lenços brancos em Lisboa.

Temendo a fúria da massa associativa mais fundamentalista, a polícia deslocou-se às imediações do Estádio do Dragão no regresso da equipa a casa, mas a previsão de desacatos revelou-se, para já, exagerada.

Pinto da Costa, escaldado pelas duas últimas trocas de timoneiros - que lhe destroçaram a fama exímio garimpeiro na hora de escolher treinadores e arrombaram os cofres em indemnizações (só para Lopetegui são €70 mil/mês até junho) -, está disposto a dar tempo ao tempo - e a Nuno Espírito Santo.

De acordo com fontes próximas do clube, “a Taça CTT não conta para o totobola de Pinto da Costa”, um troféu sempre desdenhado como menor e titulado nos tempos de vacas gordas de “Tacinha do Benfica”, sete vezes vencedor da prova em nove edições.

Apesar das três épocas em branco e de a equipa azul e branca já estar afastada da Taça de Portugal, o Expresso apurou que, “qualquer que seja o resultado” da receção ao Belenenses (terça-feira, 21h15, RTP1), Nuno “está de pedra e cal no Dragão”, pelo menos até ao jogo com o Leicester, a 7 de dezembro, o encontro decisivo em que só a vitória valerá, sem depender de terceiros, a passagem do FC Porto aos oitavos de final da Champions.

FRANCISCO LEONG/Getty

“Com o campeonato tremido, a grande aposta é agora a Liga dos Campeões, não só pelo que significa de receitas, mas por ser a grande montra para valorizar jogadores, o trunfo de que a SAD precisa para vender ativos já em janeiro”, referiu fonte afeta ao clube, crítica da falta de estratégia do treinador e de Luís Gonçalves, sucessor de Antero Henrique, na gestão do caso Brahimi, pouco utilizado desde a transferência falhada em agosto, remetido para o banco em Chaves e fora dos convocados nos jogos com o Copenhaga e com o Belenenses.

Herrera é outra das joias da coroa portista em perda, caído em desgraça no clássico do empate frente ao Benfica - o melhor da era Espírito Santo - e fora dos convocados em Chaves, Copenhaga e na bancada no Restelo.

Esta estratégia errática na valorização de jogadores nucleares – Aboubakar, emprestado ao Besiktas, já disse que não quer voltar ao Dragão – está a causar apreensão junto do sector mais crítico da SAD portista, que teme que “a seca de receitas se repita em janeiro”, numa época em que o administrador responsável pela área financeira, Fernando Gomes, tem projetada a venda de ativos no valor €100 milhões para equilibrar os €58,4 milhões de prejuízo do último exercício.

Apostado mais do que nunca na frente externa, Pinto da Costa não tem, por isso, poupado nos mimos em público ao treinador na tentativa de aplacar “os profissionais do assobio”, que responsabiliza pela desestabilização da equipa, a par dos árbitros. Nas contas do decano dos presidentes, são já uma dúzia os penáltis não assinalados a favor do FC Porto, que teme só venham a ser marcados quando os adversários arrancarem cabeças ou partirem pernas aos azuis e brancos.

Mesmo que o clima seja ainda de lua de mel com o treinador e Pinto da Costa desvalorize o jogo com o Belenenses, Nuno Espírito Santo não vai facilitar nesta fase a Taça da Liga, não só por ser o único troféu interno que o FC Porto nunca venceu, mas sobretudo para seduzir os adeptos antes do delicado reencontro com o Sporting de Braga de José Peseiro, a 3 de dezembro.

O plantel principal voltou ao trabalho, à porta fechada, logo na manhã de domingo, tendo o grupo sido reforçado com nove jogadores da equipa B, mesmo que o único lesionado seja Layún.

Para encher as bancadas, os sócios com lugar anual terão entrada à borla, oscilando os ingressos para associados entre 2 e os 6 euros, enquanto para público as entradas também são convidativas: 4 a 12 euros.