Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

“Polvo”, “monstro”, “internacionais proveta” e “vergonha” – o que diz FC Porto sobre o jogo de ontem

Na newsletter Dragões Diário, os responsáveis portistas criticam o estado da arbitragem e dizem que o lance da expulsão de Danilo “até daria para rir”

Expresso

David Ramos

Partilhar

A newsletter Dragões Diário, do FC Porto, atacou a arbitragem de Luis Godinho no jogo que opôs o FCP ao Moreirense e que ditou o afastamento dos portistas da Taça da Liga.

No documento, fala-se de um “polvo” que tem de ser “desmascarado” porque criou um “monstro em que árbitros sem experiência, sem provas dadas, são transformados em internacionais proveta”.

Em causa está o lance que ditou o segundo cartão amarelo a Danilo – e consequente expulsão – e uma grande penalidade não assinalada – a 19ª, nas contas portistas – a favor do FC Porto.

Abaixo, segue parte substancial do texto.

O FC Porto voltou a falhar na Taça da Liga – competição que não casa connosco –, perdeu por 0-1 em Moreira de Cónegos, com o Moreirene, e acabou eliminado da competição. A equipa fez uma boa primeira parte, a que faltou acerto na finalização.

O jogo correu normalmente até aos últimos minutos da primeira parte, até que surgiu Luís Godinho, que ontem à noite interpretou mal o papel de árbitro. Um penálti claro sobre André André não foi assinalado, elevando para 19 as grandes penalidades por apitar a favor da nossa equipa esta temporada, e que poderia ter permitido chegar à vantagem.

Mas o pior estava para vir, quando Luís Godinho atropelou Danilo e, por causa disso, lhe mostrou o segundo cartão amarelo. O lance caricato até daria para rir, não fosse ter deixado a nossa equipa com menos um jogador e sem o mesmo atleta para a próxima jornada.

Luís Godinho interferiu claramente com a verdade desportiva. Luís Godinho retirou o FC Porto de uma competição, como já tinha feito João Capela. Luís Godinho interferiu até na próxima jornada, por expulsar um jogador que teve a infelicidade de não ver que o árbitro caminhava na sua direção. E não, isto não é um azar a seguir ao outro, porque Luís Godinho conseguiu mostrar um amarelo aos jogadores do FC Porto a cada 2,29 faltas cometidas.

Definitivamente, não há vergonha no futebol português e quem menos vergonha tem é quem é responsável por este estado de coisas, com o Conselho de Arbitragem à cabeça, com nomeações sempre a piorar. E sabem porquê? Porque o até ontem desconhecido Luís Godinho é a partir deste mesmo mês de janeiro árbitro internacional, indicado pelo Conselho de Arbitragem. Pelas boas arbitragens não é certamente. Pelos bons desempenhos em jogos de grau de dificuldade elevado não é, porque não os fez, pelo menos em quantidade aceitável. Então por que será?

É tempo de de gritar basta, de desmascarar todo este polvo que criou um monstro em que árbitros sem experiência, sem provas dadas, são transformados em internacionais proveta. O FC Porto vai lutar todos os dias e os dias todos que forem preciso para acabar com estas situações. Esse é o compromisso que manteremos sempre com os sócios e adeptos.

E ficamos à espera de esclarecimentos públicos das autoridades da arbitragem sobre esta pouca vergonha. Que explicação têm para que em quase todos os jogos fiquem penáltis por marcar a favor do FC Porto? Que motivo pode levar um árbitro a expulsar um jogador depois de o atropelar? O que acham que deve acontecer a um árbitro que tem este género de comportamento? A elevadíssima, para não dizer inaceitável, percentagem de erros em prejuízo do FC Porto explica-se como? E o presidente da APAF mantém que a culpa é dos dirigentes? Se sim, pode nomear o dirigente responsável por um jogador ser expulso por um árbitro lhe dar um encontrão? Finalmente, acham que a verdade das competições está salvaguardada?”