Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Luís Alberto afundou o FCP no ano passado e garante que este ano é mais fácil fazer igual. Porquê? Psicologia invertida, diz ele

Nos três confrontos entre FC Porto e Tondela há resultados para todos os gostos: uma vitória para os dragões, um empate e um triunfo para os beirões, logo no primeiro jogo da história do clube em casa dos azuis e brancos. Este brasileiro foi o homem do jogo em 2015/16. Esta sexta-feira, às 20h30, há mais

Lídia Paralta Gomes

NO CANTINHO Foi em abril do ano passado que Luís Alberto marcou o golo da vitória do Tondela no Estádio do Dragão. O brasileiro joga agora no Desportivo das Aves

MIGUEL RIOPA / GETTY

Partilhar

Pim, pam, pum. Três jogos entre FC Porto e Tondela e três resultados diferentes para os azuis e brancos: uma vitória à primeira, uma derrota à segunda, em pleno Dragão, e um empate à terceira, já esta época. Esta sexta-feira (20h30), os beirões regressam ao sítio onde há onze meses, mais coisa menos coisa, uma bola matou um, aquele FC Porto que agonizava a 9 pontos do líder Benfica, e deu vida a outro, àquele Tondela que vagueava pelas catacumbas da 1.ª Liga e que após a vitória no Dragão só perdeu mais um jogo e venceu quatro, garantindo uma milagrosa permanência na divisão principal.

“Foi um gás, um oxigénio para o resto da temporada”, diz-nos Luís Alberto, o homem que marcou o tal golo, um remate de fora da área, aos 59 minutos. Um tiro com força e colocado, que nem o voo de Casillas parou.

Mas vamos lá rebobinar. Estávamos em inícios de abril de 2016, ia arrancar a jornada 28 e o cenário era o seguinte: o Tondela tinha três vitórias no campeonato, era último, claro está, e a primeira equipa acima da linha de água, o Boavista, estava a 10 pontos. A sete jornadas do fim da liga, alguém acreditava em milagres? Bem, pelos vistos em Tondela acreditava-se. E tudo – e por tudo leia-se a “reabilitação do Tondela”, como nos diz Luís Alberto – começou numa reunião num hotel.

FRANCISCO LEONG / GETTY

“Na véspera do jogo com o FC Porto, o grupo fez uma reunião num hotel, junto com o mister Petit. Focámos alguns objetivos, apesar de Portugal inteiro não acreditar mais na permanência do Tondela”, conta Luís Alberto, brasileiro que hoje joga no Desportivo das Aves. “No hotel chegámos à conclusão que uma vitória no Dragão significaria mais do que 3 pontos, seria o momento-chave da reabilitação do Tondela na 1.ª Liga. Todos se expressaram e falaram do que pensavam a respeito do jogo e do momento do clube. Fechámo-nos naquela reunião, traçámos o objetivo da vitória. E foi o que aconteceu.”

A vitória no Dragão, por 1-0, foi “muito importante, porque marcou a história do Tondela e do futebol português”. Luís Alberto não exagera: é que nunca se tinha visto uma recuperação assim, ainda para mais com um Tondela que se estreava na 1.ª divisão. E também foi uma vitória que marcou a história de Luís Alberto, que fez o único golo do jogo, o momento que marca de forma definitiva a viragem do Tondela: “No meu centésimo jogo na 1.ª Liga, consegui marcar um golo muito importante. Era o primeiro jogo do Tondela no Dragão e conseguimos ganhar. Por todo o lado por onde paro em Portugal, toda a gente fala que foi ali o momento-chave para o Tondela ficar na 1.ª Liga, porque foi a partir desse golo que a equipa ganhou fôlego. Graças a Deus fui eu que marquei”.

O golo

“Foi uma execução em que tive a felicidade de colocar a bola fora do alcance do Casillas.” Mas um golo em pleno Estádio do Dragão, a não sei quantos metros da baliza, um remate com o balanço perfeito entre força e colocação e que entrou no canto direito da baliza de um dos melhores da história é só felicidade? Naaa. “Para mim é coisa do quotidiano, que eu faço nos treinos. É tudo fruto de muito trabalho. Nada é por acaso: para o lance acontecer no jogo, você já trabalhou aquele movimento diversas vezes”, explica Luís Alberto sobre aquele que diz ser “o golo mais importante” da carreira, “pelo momento, pela situação do Tondela”.

NÃO CHEGOU Casillas bem se esticou, mas o remate de Luís Alberto foi direitinho ao canto direito da baliza do FC Porto

NÃO CHEGOU Casillas bem se esticou, mas o remate de Luís Alberto foi direitinho ao canto direito da baliza do FC Porto

mIGUEL RIOPA / GETTY

Mas é o mais bonito? Negativo. “O golo que marquei contra o Manchester United, na Champions em 2012 pelo Cluj, continua a ser o mais bonito. Porque foi no Teatro dos Sonhos e porque ganhámos também por 1-0.” Nota-se aqui uma tendência para afundar os gigantes. O médio de 33 anos sorri e parece concordar: “Nos momentos mais difíceis procuro sempre sobressair”.

Repetir a história

Depois de rebobinar, o presente. Estamos em meados de fevereiro de 2017, a situação do Tondela não é tão desesperada, mas também está longe de ser simpática. O clube do distrito de Viseu continua a ser último, mas pelo menos está apenas a quatro pontos da zona de segurança. Zona onde Luís Alberto espera ver a sua antiga equipa em breve, até porque ele é a prova que a salvação é possível. E vencer o FC Porto em casa também. “O Tondela está numa situação difícil e espero que o jogo da última época sirva de exemplo, até porque a equipa já viveu isto. Jogadores como Cláudio Ramos, o Kaká, o Hélder Tavares ou o Murillo estiveram no jogo do ano passado e viram que tudo é possível. Espero que este ano possam novamente repetir o feito, que possam conquistar a vitória, que, com certeza, vai voltar a valer mais do que três pontos.”

DÁ CÁ UM BEIJINHO. Foi com esta bola que Luís Alberto marcou o golo que permitiu ao Cluj bater o Manchester United em pleno Old Trafford na Liga dos Campeões de 2012/13

DÁ CÁ UM BEIJINHO. Foi com esta bola que Luís Alberto marcou o golo que permitiu ao Cluj bater o Manchester United em pleno Old Trafford na Liga dos Campeões de 2012/13

LAURENCE GRIFFITHS / GETTY

E perante um FC Porto que, ao contrário do que aconteceu na última época, recebe o Tondela numa boa fase, voltar a ganhar será uma tarefa mais difícil? Luís Alberto gosta de ver as coisas por outro lado: “Com toda a sinceridade, acho que quem jogar contra o FC Porto hoje estará numa situação mais cómoda para poder conseguir um bom resultado”. Como assim? Ah, psicologia invertida: “O FC Porto está a atravessar um bom momento, hoje está numa situação melhor, mais confiante, mais tranquila, mas quando um clube grande atravessa um bom momento, esse pode ser o maior perigo. A autoconfiança muitas vezes atrapalha e isso pode ajudar muito o Tondela”.

Desta vez, o pontapé potente de Luís Alberto, que já deitou abaixo o Manchester United e o FC Porto, não estará no Dragão. Mas o médio vai sofrer do lado de cá. “Tenho um apreço muito grande pelo Tondela, pelas pessoas que lá estão, pelos jogadores. Como fiz parte da história do Tondela, estou a torcer.”