Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Aboubakar regressou ao FC Porto para reinar (mas ainda há quem o possa comprar)

De saída iminente para Inglaterra a novo talismã do clube, Aboubakar deu muito que falar este verão. Era o empurrão que o FC Porto de Sérgio Conceição estava a precisar: o camaronês não para de marcar

Fábio Monteiro

Aboubakar está a brilhar no FC Porto 2017/18

FRANCISCO LEONG/GETTY

Partilhar

Como um peixe, um avançado pode “morrer” pela boca.

Há pouco mais de um mês, Aboubakar, 25 anos, fez provavelmente a finta (linguística) mais perigosa da sua carreira, quando questionado se voltaria ao FC Porto, depois de uma época de empréstimo ao Besiktas. “Não, nunca mais”, atirou o camaronês, justificando a sua escolha com “motivos pessoais”.

Havia propostas vindas de França e Inglaterra. Estava quase certa a sua saída, apontavam vários desportivos. Estava. (Para azar de Aboubakar, sorte do FC Porto, os turcos do Besiktas escolheram não exercer o direito de compra do jogador por 10 milhões de euros.)

Numa outra época, e se os dragões vivessem outro momento financeiro, as palavras do camaronês seriam mais do que suficientes para Pinto da Costa “despachar” o jogador, livrar-se dele. (Talvez aplicar uma “vingança” semelhante à do Sporting com Carrillo e obrigá-lo a marcar passo, sem jogar, durante uma época, até ao contrato acabar.)

Mas o FC Porto, abalado por já não conquistar nenhum troféu há quatro épocas, vive um verão de bolsos vazios e a prata da casa é para fazer render.

Sérgio Conceição viu um brilho em Aboubakar e começou a esculpi-lo para o seu plantel principal- transformou-o num talismã. Quis conhecer o jogador e dar-lhe uma oportunidade para mostrar o que vale. (Aboubakar ficou ressentido com o clube quando Nuno Espírito Santo dispensou-o.) Ao que tudo aponta, o treinador dos dragões não se enganou: desde que Aboubakar regressou, ainda não parou de marcar.

Na pré-época, mostrou dotes e impôs-se no plantel principal. No campeonato, em três jornadas, já marcou por quatro vezes. Ainda no domingo, fez um hat-trick frente ao Moreirense.

“Não tinha realmente vontade de voltar. Pela forma como parti, o treinador que estava no clube... Na altura sentia que merecia ficar na equipa e achei que não tinha sido nada justo ter sido emprestado ao Besiktas. Mas a partir do momento em que falei com os responsáveis do FC Porto tudo mudou. Ficou tudo esclarecido e estou muito feliz por estar aqui”, confessou Aboubakar depois do jogo em que o FC Porto venceu em Tondela, na semana passada.

Os deuses do futebol, agora, parecem estar a favor de Aboubakar: ganhou o espaço que nunca tinha tido, está no FC Porto para reinar. O problema dos dragões é que ainda há quem o possa comprar.

O que ele andou para agora marcar

Julien Lopetegui foi o responsável pela contração de Vincent Aboubakar, no verão de 2014, aos franceses do FC Lorient. O FC Porto comprou 30% do passe do jogador, a troco de três milhões de euros (o que é um problema neste momento); assinou um contrato válido por quatro épocas, até junho de 2018, e ficou com uma cláusula de rescisão de 50 milhões de euros.

Mas o caminho não foi fácil para o camaronês se impor nos dragões, nem a sua chegada sinónimo de grande contratação. Em 2014, o FC Porto tinha outros nomes mais sonantes disponíveis para o ataque: à sua frente na disputa pela titularidade Aboubakar tinha Jackson Martínez.

Já no FC Porto de Nuno Espírito Santo, Aboubakar nem chegou a ter oportunidade de mostrar trabalho (muito por mérito de André Silva e outros nomes na dianteira dos dragões) e foi emprestado ao Besiktas. Em 38 jogos pelo clube turco, onde joga Ricardo Quaresma, o camaronês fez 19 golos. E aí sim teve oportunidade de brilhar.

Tanto que não faltaram interessados e propostas pelo avançado quando a época acabou. Mas as circunstâncias e coincidências já relatadas levaram-nos ao momento presente: um Aboubakar de coração do FC Porto. “O mais importante é a equipa, o coletivo. Vamos procurar ganhar títulos para que toda a gente esteja feliz no final da temporada”, disse Aboubakar, no final do seu primeiro pelo FC Porto, em declarações ao site oficial do clube.

Só que ainda há quem possa roubar o camaronês ao FC Porto. Os turcos do Fenerbahce ficaram impressionados com o rendimento do jogador na época passada e estão a tentar encontrar forma de contornar os dragões na compra do passe de Aboubakar.

De acordo com a imprensa turca, o Fenerbahce decidiu negociar diretamente com FC Lorient - detentor de 60% do passe do jogador - e, desta forma, obrigar o FC Porto a baixar o preço exigido pelo jogador: 18 milhões de euros.

Ainda assim, mesmo que o FC Porto aceite vender o jogador (pois bem precisa de uma injecção de capital), o decisão também deverá passar por Aboubakar.

Aqui pode estar um bom indicador do estado de espírito do jogador: num dos golos do último jogo frente ao Moreirense, Aboubakar celebrou com uma mistura de gestos “à Griezmann” e depois deu o seu toque pessoal: apontou para o emblema do FC Porto, para o coração.

Partilhar