Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Não houve Taça, mas houve festa... de golos

Na 3ª eliminatória da Taça de Portugal, o FC Porto fez o que se esperava que fizesse: goleou o Lusitano de Évora, equipa dos distritais, por 6-0

Expresso

MIGUEL A. LOPES / Lusa

Partilhar

Taça de Portugal é sinónimo de festa e, esta noite, houve festa q.b. É certo que o Lusitano não pôde levar o jogo a Évora - a falta de condições do campo local obrigou a que houvesse uma mudança para o Restelo -, mas houve adeptos da equipa distrital que fizeram a viagem até Lisboa e não devem ter dado o tempo por mal empregue.

É claro que o FC Porto ganhou - ou melhor, goleou - mas outra coisa não era de esperar: o orçamento anual da equipa do Alentejo nem é suficiente para pagar um salário mensal de um jogador portista (veja AQUI).

Ainda assim, a equipa liderada pelo ex-jogador do Belenenses Duarte Machado deu uma boa réplica e, a espaços, até assustou José Sá. Só que a diferença entre ambos os conjuntos era gritante, mesmo com as mudanças efetuadas por Sérgio Conceição no onze - do último jogo, contra o Sporting, só se mantiveram Marcano, Brahimi e Aboubakar, entrando José Sá, Diogo Dalot (jovem de 18 anos da equipa B), Reyes, Ricardo, André André, Óliver, Otávio e Hernâni.

O FC Porto mostrou logo ao que vinha no primeiro minuto, ao atacar em força a baliza do Lusitano, que ficou em sufoco, mesmo com 11 jogadores nas imediações na área: depois de um cruzamento de Óliver, Marcano ia marcando o primeiro.

Alguns minutos depois, foi a vez de Aboubakar ameaçar, mas ainda sem sucesso. Aos 13', primeiro sinal de alerta do Lusitano: Bruno Machado rematou para as mãos de um descansado José Sá.

Mas o Lusitano só conseguiu segurar o ímpeto portista durante 20'. Ou melhor, o ímpeto do habitual goleador de serviço, que renovou esta semana contrato com o FC Porto: Aboubakar. Aos 20', fez 1-0, com um remate à entrada da área, a passe de Brahimi, e, um minuto depois, fez o 2-0, com um cabeceamento certeiro, depois de um cruzamento de Dalot.

Aos 22', a verdade é que o jogo ficava resolvido. Depois, com algum relaxamento portista, houve tempo para ver alguns toques de qualidade em Miguel Serrano e Jair, no meio-campo, e muito esforço de Miguel Rosado, no ataque, e o Lusitano até testou José Sá, perto do intervalo, em contra ataque.

Mas, na segunda metade, o FC Porto voltou a acelerar e o Lusitano já não conseguiu aguentar a velocidade do jogo. Aos 49' marcou Marcano, aos 55' marcou Otávio e aos 59' marcou Galeno - o avançado da equipa B tinha entrado ao intervalo por troca com Brahimi.

E, aos 90', quando já se esperava que o jogo ficasse 5-0, ainda houve tempo para Hernâni sacar uma obra de arte, ao marcar de calcanhar, com um movimento acrobático pelo ar, na resposta a um cruzamento.

Resultado final e... normal: 6-0. Um final feliz para todos.