Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Fernando Madureira e o castigo: “É uma clara perseguição ao FC Porto. É uma punição inédita”

Líder da claque Super Dragões diz à Tribuna Expresso estar a ser vítima de uma injustiça, afirmando que as imagens do jogo FC Porto-Benfica, em andebol, provam que não cantou ou incitou o cântico provocador alusivo à queda do avião da equipa do Chapecoense

Isabel Paulo

Partilhar

Fernando Madureira vai recorrer de imediato para o Tribunal Judicial do Porto do castigo imposto pelo Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ), que o inibe de frequentar recintos desportivos durante seis meses e de jogar pelo Canelas, equipa de que é capitão.

À Tribuna Expresso, o líder dos Super Dragões garante que está a ser vítima de uma “tremenda injustiça”, que visa “claramente beliscar e atacar o FC Porto”. “É mais um ataque de perseguição ao FC Porto, numa altura em que a Liga está ao rubro por causa do terceiro lugar do Benfica”, diz Madureira, que adverte que o castigo é ainda uma “provocação inédita em Portugal” por parte de um instituto público que não trata de igual para igual os clubes em Portugal.

“Ainda no verão, o IPDJ ameaçou interditar o estádio da Luz por apoiar claques ilegais. Voltou atrás sem que tenha dado uma explicação, e as claques ilegais continuam sem nada que as impeça de frequentarem recintos desportivos”, acrescenta o líder dos Dragões, conhecido por ‘Macaco’ no mundo do futebol.

Madureira jura que não entoou o polémico cântico alusivo à queda do avião da equipa brasileira - “Quem me dera que o avião da Chapecoense fosse do Benfica” -, cantado, em abril, num jogo de andebol entre o FC Porto e Benfica.

“Estavam no pavilhão centenas de pessoas e não há nenhuma testemunha que me tivesse visto cantar, nem imagem televisiva que o comprove”, refere, lamentando o sucedido “de mau gosto e infeliz, que nunca deveria ter acontecido”.

Para o defender em tribunal, Fernando Madureira recorreu a Nelson Sousa, advogado que representa Marco Gonçalves, o jogador do Canelas que em abril partiu o nariz ao árbitro José Rodrigues, também interditado de frequentar recintos desportivos.

O líder dos Super Dragões refere que o recurso terá efeitos suspensivos, razão pela qual acredita que irá jogar, domingo, com o Trofense, jogo da série B do Campeonato Nacional de Seniores, divisão em que o Canelas segue em quinto lugar.