Tribuna Expresso

Perfil

FC Porto

Sérgio: “Disseram que estava com medo, que estava a fugir, que não fui líder. Chato era dizer ao presidente: obrigado pelo bolo-rei”

O treinador do FC Porto referiu-se ao facto de não ter ficado a assistir às grandes penalidades nas meias-finais contra o Sporting, a contar para a Taça CTT

Lusa

lusa

Partilhar

O treinador do FC Porto admitiu hoje que não gostou da atitude de Soares no jogo da meia-final da Taça da Liga, com o Sporting, e explicou que a continuação no plantel apenas depende do futebolista.

O avançado foi substituído no jogo diante dos ‘leões', no qual os 'dragões' foram eliminados, atirando o casaco para o banco de suplentes, não cumprimentado alguns elementos dos azuis e brancos, mostrando estar visivelmente irritado com a substituição.

"Não gosto muito de pedidos de desculpa públicos, não sou adepto disso. Não vale a pena fugir à questão: houve um problema que não gostei. Acho que os jogadores quando sentem essa frustração ou raiva, se assim se pode dizer, se a meterem dentro do jogo é bem melhor. Com essa frustração em campo ganham nove duelos ao central contrário e perdem um, não como aconteceu com o Soares frente ao Sporting. Tem de estar nervoso em campo, com os defesas, e não com o público, adeptos ou treinador. Foi isso mesmo que lhe transmiti", sublinhou Sérgio Conceição.

Soares, entretanto, já fez dois pedidos de desculpas públicos, ainda assim, Sérgio Conceição garantiu que o avançado brasileiro também o fez internamente e isso é o mais importante. No entanto, deixa em aberto a continuidade de Soares no plantel.

"As coisas foram resolvidas internamente. Tenho um grupo de homens com caráter e personalidade. Tenho de falar nestes assuntos, obrigatoriamente. Não gostei. O Soares retratou-se publicamente, mas mais importante que publicamente, é dentro do balneário. Foi tudo tratado olhos nos olhos. A porta está entreaberta, agora cabe ao Tiquinho saber se entra ou fica na parte de fora", rematou.

Ainda sobre esse jogo, Sérgio Conceição explicou o motivo que o levou a ver as grandes penalidades no balneário.

"Hoje vale tudo para se arranjar uma polémica. Tenho um percurso de treinador e jogador que me identifica como pessoa. Todos nós temos a nossa forma de estar. Depois de definir os cinco jogadores que bateriam os penáltis, decidi viver este momento com pessoas que não são conhecidas cá fora, como o roupeiro ou o fisioterapeuta”, começou por dizer.

De seguida, o técnico ainda refutou qualquer cenário de medo e pediu para não brincarem com ele: “Disseram que estava com medo, que estava a fugir à responsabilidade, que não estava a ser líder? Não brinquem comigo. O meu percurso fala por mim. Chato era eu durante o jogo ir embora. Chegar à beira do presidente e dizer: Senhor presidente, obrigada pelo bolo rei mas eu vou embora", disse irritado com a questão.

Na conferência de antevisão do jogo com o Moreirense, na terça-feira em Moreira de Cónegos, Sérgio Conceição lamentou ainda a lesão de Danilo, no entanto, recusou revelar quem poderá ser o jogador a ocupar o lugar à frente da defesa.

"As lesões são um ponto negativo. Os três clubes que lutam pelo título perderam jogadores que têm sido chave. O Benfica perdeu o Krovinovic, o Sporting perdeu o Gelson e nós o Danilo. É de lamentar, mas cabe-me a mim arranjar soluções. Estou aqui para isso”, disse.

O técnico portista referiu que tem vários médios, diferentes de Danilo, à disposição, e que a equipa técnica terá que ser inteligente e criativa a encontrar a melhor solução para substituir o internacional português.

"Trata-se de encontrar o jogador que seja melhor para a equipa. O Reyes é um jogador com características diferentes do Danilo. Sabe-se posicionar e dar equilíbrio, mas é diferente. O Marcano está limitado fisicamente o que pode condicionar as minhas escolhas", disse ainda.

O FC Porto, líder da I Liga de futebol, com 48 pontos e menos um jogo, desloca-se na terça-feira a Moreira de Cónegos para defrontar com o Moreirense, 15.º classificado, com 15 pontos, em jogo da 20.ª jornada da prova