Tribuna Expresso

Perfil

Râguebi

Portugal pode estar prestes a regressar ao sítio onde deve estar

A seleção nacional de râguebi de 15 garantiu, no fim de semana, a conquista do Rugby Europe Trophy, troféu da terceira divisão europeia. Ou seja, garantiu o acesso ao play-off para regressar ao Seis Nações B, torneio do qual Portugal foi despromovido o ano passado

Diogo Pombo

João Peleteiro

Partilhar

O râguebi pode ser uma modalidade algo confusa para quem sabe que pouco sabe sobre ela. Além do número de jogadores, da bola oval, das regras, dos postes, pode ser estranho saber que, na Europa, o râguebi é dividido por cinco níveis. Ou divisões, criadas porque há diferenças de nível entre países que são grandes demais para todos competirem contra todos. É como uma escada em que há cinco degraus - o Seis Nações, o Seis Nações B, o Rugby Europe Trophy, o Conferência e o Desenvolvimento.

Portugal, durante muitos e muitos anos, esteve no segundo degrau, o torneio do Seis Nações B. Mas, o ano passado, a seleção nacional de râguebi de 15 foi ter com o fundo onde ninguém queria bater.

Os Lobos, como são apelidados, foram despromovidos e confirmaram a aterragem da queda livre em que estava desde 2007, ano em que se tornaram na primeira seleção amadora a jogar um Mundial. Esta época foi como um começar do zero - houve eleições na Federação Portuguesa de Râguebi, passou a haver um novo presidente (Luís Cassiano Neves), que escolheu um novo seleccionador (Martim Aguiar, três vezes campeão nacional pelo Grupo Desportivo Direito) e mais jovens começaram a ser chamados à seleção.

João Peleteiro

Os resultados da mudança foram aparecendo nos últimos meses. Portugal venceu as quatro partidas que já realizou e os números, como uma boa refeição em casa dos avós, são melhores quanto mais se encher o prato - 21 ensaios marcados, apenas três sofridos, o que dá 148 pontos contra 30 e três pontos bónus ofensivos (atribuídos quando uma equipa marca mais do que quatro ensaios num jogo). Somou 19 pontos e, no sábado, mesmo sem jogar, ficou com a conquista assegurada do torneio, por a Holanda ter vencido a Suíça sem conquistar um tal ponto bónus.

Portanto, e com um jogo ainda por fazer - a 1 de abril, em Odessa, frente à Ucrânia -, a seleção nacional garantiu que estará no play-off de apuramento para o Seis Nações B. Terá que bater a Bélgica para lá chegar, uma equipa que terminou a prova só com derrotas. O encontro será a 20 de maio.

De qualquer forma, Portugal já garantiu a participação na fase de qualificação para o Mundial de 2019, que se jogará no Japão.

Em vez de jogar contra Holanda, Moldávia, Suíça, Polónia e Ucrânia, a seleção, se sobreviver ao play-off, retornará à companhia da Geórgia, Roménia, Rússia, Alemanha e Espanha. A um sítio onde o nível é superior e puxará pelo nível dos jogadores portugueses. As três primeiras equipas, por exemplo, já estiveram em Campeonatos do Mundo.

Ou seja, este é um bom feito, porque o que vem aí é importante. E Portugal pode estar quase a voltar ao sítio onde o seu nível é mais parecido com o das equipas que também lá estão.