Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Pinto da Costa: “É natural que este seja o meu último mandato, mas não me preocupa nada, porque o FC Porto não é uma monarquia”

Presidente dos dragões acredita que “se tudo correr de forma natural” o FC Porto ainda pode ser campeão nacional. Quanto à investigação FootbalLeaks, em que o filho está envolvido, diz não estar a “acompanhar”

Expresso

Pinto da Costa foi reeleito no domingo para novo mandato à frente do FC Porto

Partilhar

O FC Porto não é uma “monarquia”, garante Pinto da Costa, presidente do clube, em entrevista ao “Jornal de Notícias” esta terça-feira. Por isso mesmo, “é natural que este seja o meu último mandato”, antevê. Mas logo adianta que parte das culpas dos que se queixam de que ele não larga o “trono” têm de ser apontadas àqueles que não se mexem e não concorrem ao cargo.

“O FC Porto tem um presidente que depende dos sócios e não só porque quer ser. Eu já disse muitas vezes que queria sair e não aparecia ninguém para a eleição. Só depois das eleições é que voltam a acordar. Isso, como disse em Assembleia Geral, é uma cobardia. Se se querem assumir, que é tempo de mudar, que se levantem e assumam”, diz.

Ainda na mesma entrevista, o presidente portista diz estar contente com o momento atual do clube, que ainda no fim de semana passado goleou o Feirense, por 4-0. “Com tudo o que aconteceu nas primeiras jornadas do campeonato e na Taça de Portugal, estamos no segundo lugar do campeonato e nos oitavos de final da Champions League. Por isso, tenho de considerar que estamos muito mais perto do topo. O que diremos de outros que não estão na Europa e atrás de nós no campeonato?”, questiona.

Mesmo com os percalços inicias do clube do campeonato, a confiança de Pinto da Costa em Nuno Espírito Santo não ficou abalada. “A equipa joga bem e cria muitas oportunidades. A chegada do Nuno Espírito Santo ao FC Porto foi completamente diferente do Julen Lopetegui, apesar de serem ambos representados pelo Jorge Mendes. Tenho uma grande relação com Nuno. Foi meu jogador, foi a minha escolha, claro que com o acordo da administração. Há uma relação de amizade, mas cada um tem o seu lugar no clube”, explica.

Pinto da Costa acredita mesmo que “se tudo correr de forma natural” o FC Porto ainda pode ser campeão nacional esta época. E deixa um aviso para os descrentes do trajeto do clube na Liga dos Campeões. “Quando nos saiu o Roma, no play-off da Champions, disse 'coitado do Roma' e toda a gente se riu e fomos lá ganhar 3-0. Agora, digo que a Juventus não teve sorte”, afirma confiante.

Quanto à Taça de Portugal, o líder dos dragões diz que esta prova parece “destinada aos clubes da capital”. “Toda a gente viu e, pela primeira vez, senti unidade, inclusive dos responsáveis, que estava a ser demais. O que aconteceu em Chaves foi uma vergonha para o futebol”, queixa-se, numa alusão à eliminação do FC Porto da segunda mais importante competição do calendário nacional.

Lopetegui “ainda custa algum dinheiro ao FC Porto”

Julien Lopetegui foi-se embora e Pinto da Costa nunca mais voltou a falar com o treinador. Contudo, conforme foi noticiado há algumas semanas, o espanhol ainda recebe parte do seu salário dos dragões. E nem tudo ficou bem resolvido entre os dois.

“Ainda custa algum dinheiro ao FC Porto. Quando decidimos que estava na altura de sair, ele respondeu que não havia qualquer problema, mas para falamos com o advogado com ele, mas nunca apareceu. Tínhamos de pagar enquanto não tivesse emprego, mas, agora, ele deve ser o selecionador mais mal pago do Mundo, porque só ganha 250 mil euros por ano e nós temos de pagar o que sobre até perto de um milhão. Não há ninguém que consiga um selecionador por apenas 250 mil euros”, acusa.

FootbalLeaks: "Para ser franco, não estou a acompanhar”

O nome do filho do presidente do FC Porto, Alexandre Pinto da Costa, tem sido noticiado nas últimas semanas, no âmbito da investigação FootbalLeaks, por este ter feito negócios com jogadores que violam lei desportiva. Mas Pinto da Costa diz que não está a “acompanhar” essas notícias. “É um problema que não me preocupa. Foi a empresa do Alexandre que colocou o Rolando no Marselha. Além de deixarmos de pagar quase um milhão em salários, ainda recebemos cerca de mais um milhão. Se ele recebeu de mais alguém, a mim não me interessa nada. O FC Porto livrou-se de um salário grande e de um jogador que estava a mais. A mim não me interessa nada se o empresário é meu filho, primo, sogro, genro, amigo ou inimigo. Se o negócio for bom para o FC Porto eu faço, se não for não faço”, diz.

Porém, o presidente portista contradiz-se mais à frente, ao falar da investigação FootbalLeaks. “O Leaks descobriu o Oblak, o Ronaldo, o Mendes e a capa do Expresso era o meu filho. Estou orgulhoso dele, porque deve ser muito importante para fazer capa do Expresso, só por receber duas comissões, que não sei se recebeu ou não. As pessoas caem no ridículo. Há milhões de euros em causa, com Oblaks, Ronaldos e Mourinhos e a notícia é o Alexandre Pinto da Costa”, afirma.

Partilhar