Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Operação Petardo. Oito detidos por fabrico ilegal de tochas e very-lights para claques desportivas

As escutas telefónicas mostram diversos elementos de várias claques do norte do país a encomendar petardos, tochas e até very-lights para utilizar no interior dos recintos desportivos

Expresso

Partilhar

A Polícia Judiciária realizou na quinta-feira 34 buscas no centro e norte do país no âmbito de uma investigação – a “Operação Petardo” – relativa ao fabrico ilegal de artefactos pirotécnicos para as claques desportivas de vários clubes portugueses. Foram detidas seis pessoas em cumprimento de mandado emitido pelo Ministério Público e ainda “mais dois suspeitos, em flagrante delito”.

Está em causa o crime de “detenção de armas proibidas, nomeadamente, rastilho e engenho para lançamento de artigos pirotécnicos”. Os detidos, com idades entre os 27 e os 53 anos, vão ser presentes esta sexta-feira a primeiro interrogatório judicial para aplicação de medidas de coação.

De acordo com o “Correio da Manhã”, alguns dos indivíduos detidos são ou mantém relações com a claque dos SuperDragões, do FC Porto, e dos RedBoys, do Sp. Braga.

No decurso da investigação - através de escutas telefónicas - que já dura há quatro meses, “foram identificadas atividades ilícitas relativas ao fabrico e venda de artigos pirotécnicos, ao tráfico de armas e a comercialização e utilização de petardos e tochas de fumo em recintos desportivos”, de acordo com um comunicado da PJ.

Segundo o “CM”, as interceções telefónicas mostram diversos elementos de várias claques do norte do país a encomendar petardos, tochas e até very-lights para utilizar no interior dos recintos desportivos, conseguindo escapar às revistas feitas à porta dos estádios.

“Estão ainda em investigação os incidentes ocorridos em janeiro passado, em Braga, após o jogo de futebol entre o Sporting Clube de Braga (SCB) e o Vitória Sport de Guimarães (VSC), em que foi atingido, com disparo de arma de fogo, o autocarro que transportava funcionários da empresa de segurança que presta serviço no estádio do SCB”, anunciou a PJ em comunicado.

Partilhar