Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Dias Ferreira: “Não há coragem para não permitir a utilização do Estádio da Luz”

Segundo o ex-dirigente do Sporting, se o problema fosse noutro clube que não o Benfica a resolução seria diferente

Expresso

PATRICIA DE MELO MOREIRA/GETTY

Partilhar

Foi por pouco, mas o Benfica (ainda que apanhado de surpresa) conseguiu enviar, no último dia, o novo regulamento de segurança do Estádio da Luz ao Instituto Português do Desporto e da Juventude.

Mas o “problema” surpresa não caiu bem no âmago do Benfica. Luís Filipe Vieira veio a público na segunda-feira queixar-se que os clubes rivais “vão fazer de tudo” para os encarnados não conquistarem o pensa nesta época.

Segundo Dias Ferreira, ex-dirigente do Sporting, em declarações ao “Jogo” esta terça-feira, “faltou coragem” para não permitir a utilização do Estádio da Luz.

“Antes tarde que nunca, é para estar atento. É um assunto que se arrasta há muito tempo e agora há a preocupação de cumprir. Não sei se está relacionado com a denúncia feita pelo Sporting, as claques têm de se legalizar e organizar, mas são elas e não o Benfica”, disse.

“A Direção do Benfica não tem coragem para aplicar a lei. Agora, o presidente do Benfica ao dizer o que disse está a gozar connosco e a fazer de nós parvos, por isso nem vale a pena estar a dar opiniões jurídicas. Acho que não há coragem para não permitir a utilização do Estádio da Luz. Não há antecedentes porque não há situações parecidas, mas se fosse com um clube mais fraco podia haver... É a mesma possibilidade de a mim me sair o Euromilhões”, apontou.

Partilhar

  • Como é que se regula as claques? O IPDJ explica

    Benfica

    Os poderosos No Name Boys e Diabos Vermelhos nunca foram registados, apesar de a legalização dos Grupos Organizados de Adeptos (GOA) ser obrigatória há oito anos. Estas são as 16 respostas do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) a outras tantas perguntas do Expresso, feitas a 28 de abril de 2017, na sequência da morte de Marco Ficini, adepto atropelado por um membro dos No Name Boys, para perceber como funciona o nebuloso mundo das claques