Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Integridade no Futebol: Liga anuncia adesão a iniciativa de denúncia online

Lusa

Partilhar

A Liga Portugal anunciou na quinta-feira a decisão de se associar ao programa “integridade no futebol”, uma plataforma baseada na Internet para denúncia de casos de combinação de resultados no futebol.

Em comunicado, a organizadora das competições profissionais sustenta que a plataforma, lançada originalmente pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e pelo Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF), passa assim a contar com “um aliado decisivo” numa “luta que é conjunta”.

“Esta parceria entre as três entidades pretende potenciar a integridade do futebol português, condição necessária para a credibilidade das competições profissionais e dos clubes que nelas participam, tendo as três instituições um papel importante a desempenhar”, pode ler-se em comunicado.

A plataforma digital para denúncia de casos de manipulação de resultados foi apresentada em março pela FPF e o SJPF.

A plataforma, acessível na página integridade.fpf.pt, permite “um meio de fácil acesso a todos os agentes desportivos para denúncia de todos os casos relacionados com corrupção ou tentativas de corrupção desportiva”, referiam então as duas entidades em comunicado.

Os promotores asseguravam a total confidencialidade dos dados do denunciante, caso este queira manter o anonimato, sendo que, de acordo com os regulamentos, os agentes desportivos já são obrigados a denunciar os casos de corrupção desportiva.

Para Pedro Proença, presidente da Liga, “é fulcral a implementação” desta medida “para um futebol profissional mais íntegro”, e de modo a que “não se perca o respeito e se reafirme a idoneidade dos vários intervenientes nas competições”.

“A Liga Portugal vai implementar um programa de formação dirigido aos plantéis de cada uma das equipas da Liga NOS e da LEDMAN LigaPro, para fornecer aos jogadores as ferramentas necessárias a identificar e resistir às ameaças que as apostas desportivas acarretam”, pode ainda ler-se no comunicado.