Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Caso dos emails. Bernardo Silva exigiu um salário em atraso, Vieira prometeu que o jogador não voltaria à Luz

Por Bernardo Silva se ter queixado de um salário em falta, antes de se mudar para o Monaco, o presidente do Benfica terá dito que o jogador jamais voltaria a vestir a camisola do clube

Expresso

Bernardo Silva tem 22 anos e é internacional português

STEPHANE MAHE/GETTY

Partilhar

Apesar do Benfica ter avançado com um processo judicial que promete uma multa de um milhão de euros, caso mais algum email interno do clube fosse revelado, estes parecem continuar a brotar. Desta vez, foi o nome de Bernardo Silva, extremo português do Manchester City (mas com o coração no Estádio da Luz), que veio à ‘baila’.

Francisco J. Marques, responsável de comunicação do FC Porto, voltou a revelar novos emails internos no Benfica na terça-feira à noite, no programa televisivo “Universo Porto” do “Porto Canal”.

O portista revelou uma suposta troca de emails entre Luís Filipe Vieira e Paulo Gonçalves sobre um atraso salarial que Bernardo Silva exigiu ao clube, antes de se mudar para o Mónaco em 2015. Por Bernardo Silva se ter queixado, o presidente do Benfica terá dito que este jamais voltaria a vestir a camisa do clube.

“A 5 de janeiro de 2015, Ana Figueiredo Godinho, funcionária do Benfica, envia um email ao Paulo Gonçalves. 'Estou a receber pedidos para inscrições de atletas, mas não posso inscrever enquanto não houver a documentação sobre as irregularidades salariais e não se resolver o caso do Bernardo Silva'. O Paulo Gonçalves enviou um email ao Luís Filipe Vieira: 'Presidente, para podermos demonstrar que temos a situação regularizada, está pendente uma única situação, a de Bernardo Silva. O Benfica nada lhe deve, mas o pai reclama o pagamento do salário de julho. O contrato de empréstimo refere que o Mónaco é responsável pelos salários. Perante a recusa, não temos a alternativa a não ser processar e pagar o salário no valor ilíquido'”, contou Francisco J. Marques.

Em resposta, Vieira terá dito: “Processa, este não volta a vestir a camisola do Benfica”.

“O jogador fetiche dos benfiquistas pode não voltar a jogar enquanto Vieira lá estiver. (...) O Vieira aparece aqui como o Luís XIV do absolutismo completo. Eu quero, posso e mando. O valor em questão é baixo, em termos de salário de futebolista. Não deixa de ser sintomático da forma como o Benfica se comporta com toda a gente”, lembrou o diretor de comunicação do FC Porto.