Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Saviola sobre Jorge Jesus: “Deu muito ao Benfica”

Segundo Saviola, é normal que depois de “ganhar muitos campeonatos seguidos” que as equipas “abrandem um pouco o ritmo ou não comecem como esperamos”

Expresso

Jorge Jesus, Javier Saviola e Pablo Aimar no Benfica, em 2011

FRANCISCO LEONG/GETTY

Partilhar

Já reformado dos relvados, Javier Saviola continua a prestar atenção ao que se passa no estádio da Luz. Em entrevista à “Bola” esta sexta-feira, o ex-internacional argentino recorda que o Benfica foi um clube que lhe “deu muitíssimo, tanto na vida pessoal como profissional”.

“Digo sempre que foi o clube que mais me surpreendeu. Estive no Barça e no Real Madrid e aí sabes o que podes esperar, o que representam como instituição… Falava muitas vezes com o Aimar, que tínhamos chegado a um clube do qual desconhecíamos a grandeza, a sua história, os seus jogadores, os adeptos… Era impressionante ir jogar a qualquer lado e encontrarmo-nos com tantos fanáticos”, lembrou Saviola, que, de momento, vive em Andorra e está a tirar o curso de treinadores.

Questionado sobre o atual momento do Benfica, Saviola disse ser normal que depois de “ganhar muitos campeonatos seguidos” que as equipas “abrandem um pouco o ritmo ou não comecem como esperamos”.

Segundo Saviola, “é bom para o futebol português que haja equipas como o Sporting a lutar pelo campeonato, dá mais emoção”.

Enquanto jogador encarnado, o ex-internacional argentino foi sempre orientado por Jorge Jesus. Na entrevista à “Bola”, deixou-lhes rasgados elogios.

“Ele é um profissional, um apaixonado do futebol. Viu a possibilidade de poder ir para o Sporting e deu esse passo. É um técnico com muitíssima personalidade, é fiel ao seu estilo. Seguramente, tomou a decisão e eu, que o conheço, sei o que significa como técnico: a sabedoria que tem, a personalidade; quer sempre o melhor de cada jogador e é bom que esteja no futebol português. É um técnico que deu muito ao Benfica e seguramente agora estará a lutar pelo campeonato para poder conquistá-lo”, atirou.