Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Cássio, Roderick Miranda, Nadjack e Marcelo. Os jogadores do Rio Ave constituídos arguidos por suspeitas de terem sido pagos para perder

Caso sejam comprovadas as suspeitas do Ministério Público, os jogadores serão proibidos de jogar profissionalmente para sempre e poderão ser mesmo presos, num período até dez anos, dependendo do montante que tenham recebido como suborno

Expresso

JOSE COELHO/ Lusa

Partilhar

Já é conhecida a identidade dos quatro jogadores do Rio Ave que, supostamente, na época passada terão recebido subornos para perder no jogo com o Feirense, na 20ª jornada do campeonato.

Pelo que a “SIC” revelou na quinta-feira à noite e os jornais desportivos avançam já esta sexta-feira, Cássio, Roderick Miranda, Nadjack e Marcelo são os atletas que foram constituídos arguidos deste caso pelo Ministério Público.

Há seis meses, estes mesmos atletas foram alvo de inquérito pela Polícia Judiciária. Segundo a estação televisiva, foram apreendidos vários dispositivos de comunicação - telemóveis e tablets - e pelo menos dois ainda continuam na posse da PJ.

Apesar das apostas desportivas terem sido suspensas em Portugal horas antes do jogo, devido a um alerta lançado pela Santa Casa, o mesmo não ocorreu ao nível internacional. O Rio Ave perdeu o encontro por 2-1.

Esta notícia poderá, claro, ter muito impacto na carreira destes jogadores.

O defesa-central Marcelo, por exemplo, tem vindo a ser “namorado” pelo Sporting nos últimos meses. Até ao momento, o clube de Alvalade ainda não se manifestou sobre esta situação, nem deu qualquer indicação se irá avançar à mesma com o negócio, tendo em conta as últimas informações.

O guarda-redes Cássio, 37 anos, está a cumprir a sua quarta época no Rio Ave, e Nadjak, guineense de 23 anos, está no clube desde a temporada passada.

Já Roderick Miranda mudou-se este verão do Rio Ave para o clube da segunda Liga inglesa Wolverhampton.

Caso sejam comprovadas as suspeitas, estes jogadores serão proibidos de jogar profissionalmente e poderão ser mesmo presos, num período até dez anos, dependendo do montante que tenham recebido como suborno.