Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Löw: “Teremos que encontrar forças sobre-humanas, se queremos ser novamente campeões do mundo”

No último Mundial, disputado em 2014 no Brasil, a Alemanha conquistou o seu quarto título mundial, ao vencer na final a Argentina, por 1-0, após prolongamento, graças um golo de Mario Götze, aos 113 minutos.

Lusa

O selecionador alemão optou por dar descanso a algumas estrelas da equipa

Ian MacNicol

Partilhar

O selecionador alemão de futebol, Joachim Löw, considera que a Alemanha precisará de “forças sobre-humanas” para defender na Rússia o título mundial, o que a faria entrar numa “nova dimensão”.

“A Alemanha vai ser perseguida como nunca. Teremos que encontrar forças sobre-humanas, se queremos ser novamente campeões do mundo”, justificou Löw, em declarações à rádio pública da Baviera.

No Mundial de 2018, que decorrerá na Rússia entre 14 de junho e 15 de julho, a Alemanha integra o Grupo F, com México, Coreia do Sul e Suécia, e terá o seu jogo de estreia em 17 de junho, em Moscovo, diante dos mexicanos.

Löw disse ainda esperar que o guarda-redes e ‘capitão’ Manuel Neuer, lesionado e que esta época só fez quatro jogos pelo Bayern Munique, recupere plenamente a forma, bem como Marco Reus, afastado da seleção igualmente devido a lesão.

Para o técnico, Toni Kroos e Mats Hummels são também jogadores nucleares da seleção, na qual começam a despontar nomes como Timo Werner, Leroy Sané ou Joshua Kimmich, fazendo com que a equipa combine experiência e juventude.

Joachim Löw pretende que os próximos meses fomentem uma “enorme fome de título”, referindo que a Alemanha é a equipa que todos querem ver perder, numa competição com candidatos como o Brasil, França, Espanha, Inglaterra ou Argentina.

No último Mundial, disputado em 2014 no Brasil, a Alemanha conquistou o seu quarto título mundial, ao vencer na final a Argentina, por 1-0, após prolongamento, graças um golo de Mario Götze, aos 113 minutos.

O Brasil é o país que mais vezes venceu o Mundial, somando cinco cetros, seguido de Alemanha e Itália, ambos com quatro, sendo que a ‘squadra azzurra’ falha o Mundial da Rússia, 60 anos depois de não ter estado entre a ‘elite’, na Suécia, em 1958.

Na Rússia, Portugal chega ao Mundial na condição de campeão europeu, título conquistado em 2016, e integra o Grupo B, com Espanha, Irão e Marrocos.