Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Alessandro Proto: o agente burlão que usou o nome de Ronaldo para fazer milhões

Na biografia que chegou esta semana à livrarias italianas, Alessandro Proto, o agente imobiliário italiano que enganou muitas celebridades, conta que estava entediado e na cadeia, quando teve a ideia para o seu 'modelo de negócio'

Expresso

D.R.

Partilhar

Durante muitos anos, Alessandro Proto, empresário italiano ligado ao imobiliário, passou, como se costuma dizer, “pelo meio dos pingos da chuva”. Era o que podemos chamar de um impostor profissional.

A sua carreira prosperou, desde 2009, alimentada graças a uma série de factos que ninguém se deu ao trabalho de confirmar. Dizia que fazia, vendia e acontecia aos jornalistas e estes reproduziam ponto por ponto.

Tinha uma fórmula secreta: meter celebridades do espetáculo e do desporto ao barulho, para isso lhe conferir maior legitimidade, aumentar a procura pelos seus serviços. E foi o início de uma grande aventura.

Falar de celebridades e não falar de Cristiano Ronaldo seria uma falha gigantesca de Alessandro Proto. E, como é óbvio, ele fê-lo e instaurou o caos.

Primeiro, disse que foi responsável pela compra de um loft na Torre Trump em Nova Iorque para o craque português. Depois, disse que CR7 iria participar num filme de Martin Scorsese.

Na verdade, ainda no ano passado, o impostor italiano fez das suas. Durante alguns dias, circulou uma notícia (falsa) de que o jogador português Cristiano Ronaldo iria construir um hospital pediátrico em Santiago do Chile em 2020.

O responsável? Alessandro Proto.

Tédio e megalomania

Alessandro Proto estava na cadeia, “estava entediado”, quando decidiu ser empreendedor, conta na sua biografia “Eu sou o impostor. A história do homem que enganou todos”, que chegou esta semana às livrarias italianas. Decidiu, então, criar a Proto Organization, empresa fundada em Milão e com base na Suíça.

“Escolhi o melhor diretor do mundo e os atores mais mais conhecidos. Foi uma loucura, ninguém perguntava nada”, revela Alessandro Proto.

Há oito anos, Proto disse a um grupo de jornalistas que tinha vendido casas a algumas estrelas de cinema de Hollywood, quando isso era mentira. Resultado? “Desde esse momento começaram a chover telefonemas na minha empresa”, ao ponto de cobrar 30 mil euros só para colocar essas casas à venda, conta na sua biografia.

Eis uma versão radical do “fake it until you make it”.

A mentira cresceu ao ponto de em 2010, Alessandro Proto ter sido escolhido como o agente imobiliário responsável pela transacção da mansão de George Clooney no Lago de Como. (A venda nunca se concretizou.)

No mesmo ano, “o impostor”, não satisfeito com o seu sucesso, decidiu aumentar o gabarito das suas mentiras: disse que comprou um terreno para Brad Pitt e Angelina Jolie em Verona, uma cobertura para Madonna e um apartamento para Leonardo Di Caprio. Tudo mentira - mas foi assim que saiu nos jornais mundiais.

A megalomania de Alessandro Proto nunca teve limites. O italiano, em 2014, chegou a afirmar ao jornal norte-americano “New York Daily News” que a personagem masculina de “As 50 Sombras de Grey” era inspirada nele. Disse ter conhecido E. L. James, em 2009, quando ela esteve em Itália a ver casas e deixou no ar a sugestão que os dois tiveram um encontro erótico.

Já em 2013, o italiano foi condenado a uma pena de três anos e 10 meses de prisão, que não chegou a cumprir na totalidade, por burla e manipulação do mercado financeiro. Mas isso não quer dizer que este se tenha reformado.