Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Comentadores boicotam boicote de Bruno de Carvalho

O presidente dos leões pediu aos “paineleiros” que abandonassem os lugares que ocupam nos painéis de discussão dos programas televisivos dedicados ao futebol dos canais generalistas. Contudo, estes não consideram o pedido de BdC “legítimo” ou que contribua para a imagem do clube

Expresso

MANUEL DE ALMEIDA

Partilhar

O apelo de boicote lançado por Bruno de Carvalho aos comentadores desportivos afetos aos leões será ele próprio boicotado.

O presidente dos leões pediu aos “paineleiros” que abandonassem os lugares que ocupam nos painéis de discussão dos programas televisivos dedicados ao futebol dos canais generalistas. Contudo, estes não consideram o pedido de BdC “legítimo” ou que contribua para a imagem do clube.

Manuel Fernandes, comentador na “SIC Notícias”, disse no domingo à noite ao estar presente na televisão pode “defender o Sporting”.

“Vou ouvir as razões de Bruno de Carvalho, dar a minha opinião e só depois tomarei uma decisão. Os sócios estão com ele e entendo as suas razões pois o alvo nos programas televisivos é sempre ele”, disse.

Já Augusto Inácio, comentador na “RTP3”, disse ser “livre, independente, que nunca recebi cartilhas ou recados e falo no programa de acordo com a minha consciência. Penso pela minha cabeça e não pela cabeça dos outros”.

José Pina, comentador na TVI24, também não se mostrou disponível para “recuar”.

“É aqui que estou, tenho compromissos profissionais e tento respeitá-los. O manto protetor do Benfica tem de ser combatido, é uma realidade. Agora, o meu trabalho, a essência da minha vida é a criatividade, liberdade, pensamento próprio. Sou eu que decido os programas em que participo ou não. Não sou funcionário do clube. Só passo recibos verdes à minha consciência e liberdade e, se renunciar a isto, estou a renunciar à minha profissão. (...) Eu gosto de ver todos os outros comentadores do Sporting, o Fernando Mendes, Paulo Andrade, Jaime Mourão Ferreira, Hélder Amaral, Dias Ferreira, o meu amigo Rui Calafate que escreve no Record, tudo isso vai desaparecer? Não pode ser. Esse é que é o combate, a militância, faz parte. Não é estar agora a recuar as tropas. Mas essa é a minha posição. Não concordo com tudo o que o presidente diz e neste caso não concordo”, disse.

Por sua vez, Octávio Machado, na “CMTV”, disse que o desaparecimento dos comentadores afetos aos leões da praça pública “é um princípio que pode começar a ser grave para o Sporting”.

“Os patrocinadores, os investidores, não tiveram direito a ver as marcas que patrocinam. Depois a NOS, com a qual o Sporting fez um contrato maravilhoso. Ao boicotar as audiências, está a boicotar tudo isso, porque os investidores vivem da publicidade das marcas. Estou expectante para ver os prejuízos. E mais preocupado estou com a UEFA, porque não permite situações destas. Espero e desejo que acabe depressa, porque isto viola todos os princípios e é uma decisão que pode custar caro. Se vou deixar o programa? Antes de ir para o Sporting já cá estava. Não confundo Bruno de Carvalho com o Sporting. Acho que responde à pergunta. Ninguém pode ou deve estar - ou tentar pôr-se - acima do Sporting. Muito menos o grande líder. Apoiar a equipa amanhã em Tondela é que é militância. Mas para o grande líder isso não é militância. Para ele é: ‘saiam dos programas porque eu é que mando’. Não sei se vou ser atirado aos cães ou não, nem me importo, porque sou muito duro de roer e podem partir os dentes. Somos pessoas livres”, disse.