Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Jogos Olímpicos. Doping na equipa russa... em curling

O atleta russo é suspeito de ter usado meldonium, substância que aumenta o fluxo sanguíneo e que está proibida desde 2016;

Expresso

Valery Sharifulin

Partilhar

Até no curling, o desporto mais “pacato” dos desportos de inverno, vale tudo?

Alexander Krushelnitsky, vencedor da medalha de bronze de curling nos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, acusou positivo num teste de doping da competição, avançam várias agências noticiosas esta segunda-feira.

O atleta russo é suspeito de ter usado meldonium, substância que aumenta o fluxo sanguíneo e que está proibida desde 2016; nos próximos dias, deverá fazer um exame de contra-análise.

“Ficámos todos chocados quando soubemos e claro que temos muita esperança de que não passe de um engano. Para a nossa modalidade não é ser o mais rápido, mais alto e mais forte que importa, é ser mais preciso. Não imagino que tipo de drogas possam ser úteis em curling, por isso é difícil de acreditar”, disse a curler russa Viktoria Moiseeva aos jornalistas.

Dmitry Svishchev, presidente da federação russa, também já reagiu à notícia.

“Conheço estas pessoas há muitos anos. Só um louco toma substâncias proibidas antes de uma competição, dos Jogos Olímpicos. Isto é uma história estranha e levanta muitas questões”, disse.