Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Ó tempo volta para trás (os descontos no golo Coates, visto pelos especialistas)

Todos os especialistas em arbitragem estão de acordo: João Capela “exagerou” no tempo de descontos dado ao jogo Tondela-Sporting

Expresso

PAULO NOVAIS

Partilhar

Coates resolveu a partida do Sporting com o Tondela aos 99 minutos, numa jogada que começou com William Carvalho e ainda contou com um desvio de Bas Dost. Foi um golo bonito, de alívio para os leões, mas que para todos os especialistas em arbitragem, que comentam o encontro esta terça-feira nos desportivos nacionais, não devia ter acontecido.

Não por causa de existir uma qualquer irregularidade, mas porque o árbitro João Capela “exagerou” no tempo de descontos dado ao jogo. “Se fosse dirigente do Sporting, sentia-me envergonhado”, atirou Gilberto Coimbra, presidente do Tondela, no final do encontro.

A opinião dos três especialistas em arbitragem do “Jogo” quanto ao golo de Coates é unânime: o jogo demorou mais do que era o tempo regulamentar.

“O jogo foi interrompido aos 93 minutos e 24 segundos e depois esteve 2m26s parado. O máximo que João Capela podia dar era mais um minuto e teve várias oportunidades para o terminar. Devia ter acabado aos 97 minutos, pelo que deu mais 2 minutos do que devia ter dado”, escreveu José Leirós.

Fortunato Azevedo alinhou no mesmo tom: “Justificam-se os quatro minutos que deu inicialmente, mas depois da lesão só devia ter dado mais 19 segundos. Foi de facto um exagero. Incompreensivelmente deu mais três minutos e qualquer coisa.”

Especialistas em arbitragem (não oficiais)

Na liga dos comentadores de arbitragem não oficiais, Iker Casillas, guarda-redes do FC Porto, foi até ao Twitter queixar-se dos mesmo problema: demasiado tempo de compensação. “90′ + 4′ (4′ x 2 ) + 1 hora + 1 dia + 1 semana + 1 mês + 1 ano + 1 lustro + 1 década + 1 século….. e se mesmo assim não for possível: O Jóquer ‘Infinito’!”, escreveu Iker Casillas.

O Benfica, por sua vez, reagiu ainda de forma mais agressiva. “Uma das maiores vergonhas de todos os tempos por parte do ex-chefe de equipa de Hernâni Fernandes – o especialista em arbitragem de Alvalade. Histórico tempo de compensação, penálti sobre Murilo transformado em amarelo e perdão de expulsão de William Carvalho. Não há vergonha!”, escreveu, através da conta oficial do Departamento de Comunicação.