Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

José Eduardo Moniz: Paulo Gonçalves apresentou demissão, Vieira segurou-o

Segundo o vice encarnado, o pedido de demissão de Paulo Gonçalves foi “um ato nobre, de alguém que tem a noção de que o Benfica está acima de qualquer um de nós”. “Está acima dele, de mim, do presidente”, disse

Expresso

MANUEL DE ALMEIDA

Partilhar

Paulo Gonçalves, assessor jurídico do Benfica implicado no caso e-toupeira, colocou o seu lugar à disposição depois do processo ter vindo a público, mas Luís Filipe Vieira não o deixou sair. Esta revelação foi feita por José Eduardo Moniz, vice-presidente do clube encarnado, em entrevista à “BenficaTv”, na quarta-feira à noite.

“A primeira atitude que [Paulo Gonçalves] tomou foi colocar o lugar à disposição porque, segundo ele próprio afirmou, não queria colocar o Benfica perante nenhuma situação que porventura o fragilizasse. Acho que é um ato nobre, de alguém que tem a noção de que o Benfica está acima de qualquer um de nós. Está acima dele, de mim, do presidente. Como não queríamos antecipar-nos à justiça e julgamos que terá todas as possibilidades de se defender dos factos que lhe são imputados, não aceitámos”, revelou Eduardo Moniz à “BTV”.

Segundo o vice encarnado, a decisão de manter Paulo Gonçalves ligado ao clube teve como intenção “proteger o património do Benfica e os seus interesses”.

“É para isso que estamos aqui a trabalhar de forma apaixonada e desinteressada”, disse.