Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Caso e-toupeira. PJ tenta encontrar e-mails divulgados pelo FC Porto nos últimos meses

Mandados de busca emitidos pela juíza de instrução no processo e-toupeira indicavam a necessidade de apreender o correio eletrónico que pertencia a Paulo Gonçalves, assessor jurídico do clube

Expresso

Paulo Gonçalves tinha sido constituído arguido no caso dos e-mails há alguns meses. Agora é suspeito de corromper funcionários judiciais

Partilhar

Há um cordão umbilical que liga o caso e-toupeira ao caso dos e-mails: as mensagens internas do Benfica divulgadas por Francisco J. Marques, responsável de comunicação do FC Porto, nos últimos meses. Os e-mails em causa chegaram ao Ministério Público, mas, como foram obtidos de forma ilícita, não poderão ser utilizados na acusação; o envelope de denúncia continua fechado.

Segundo o “Correio da Manhã” esta segunda-feira, os mandados de busca emitidos pela juíza de instrução no processo e-toupeira que foram cumpridos no estádio da Luz, há duas semanas, indicavam a necessidade de apreender o correio eletrónico que pertencia a Paulo Gonçalves, assessor jurídico do clube.

De acordo com o matutino, as autoridades pretendem fazer peritagens aos computadores do clube encarnado para tentar recuperar o histórico das mensagens e chegar aos e-mails divulgados pelo FC Porto nos últimos meses.

Desta forma, os e-mails que têm vindo a público já poderiam ser utilizados pela acusação; mais: estes serão essenciais para demonstrar que Luís Filipe Vieira, presidente do Benfica, tinha conhecimento dos contactos mantidos por Paulo Gonçalves com os funcionários judiciais.

Segundo o “CM”, as peritagens aos computadores apreendidos em buscas no Estádio da Luz estão agora a decorrer. Deverão ser feitas na própria Polícia Judiciária, através dos seus peritos informáticos.