Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

VAR anula golo ao Estoril: o que dizem os especialistas?

Na imprensa desportiva desta manhã, as opiniões dividem-se. Deve o VAR intervir em situações duvidosas ou só nas que constituem erros grosseiros? Análise da arbitragem de Hugo Miguel aponta, por unanimidade, que ficou por assinalar penálti sobre Jiménez aos 39 minutos.

Expresso

Gualter Fatia

Partilhar

Minuto 50. Cruzamento da esquerda de Ewandro e Allano, no coração da área do Benfica, chega ao golo. O Estoril empatava a partida no Estádio António Coimbra da Mota, mas os festejos que se seguiram ao lance foram de pouca dura.

O árbitro Hugo Miguel, assistido no lance por Ricardo Santos, valida o golo, mas o videoárbitro, instalado em Oeiras na Cidade do Futebol, decidiu intervir para anular o golo. Foi assinalado fora de jogo a Allano.

Na imprensa desportiva desta manhã, as opiniões dividem-se. No "Tribunal do Jogo" a sentença é 100% favorável à equipa de arbitragem. Jorge Coroado, José Leirós e Fortunato Azevedo são unânimes em considerar que o avançado estilista está adiantado em relação ao penúltimo defensor do Benfica no momento em que é assistido, pelo que é correta a decisão final do árbitro.

No "Record" a posição é dividida. Se Jorge Faustino considera que a decisão se aceita, apesar de ser muito duvidosa, Marco Ferreira entende que Alano está atrás da linha de passe antes de receber. "Bem o assistente, mal o VAR", escreveu na edição desta manhã do jornal.

No jornal "A Bola", Duarte Gomes é mais contundente. "A verdade é que ainda que sendo um lance dúbio (o tronco do avançado parece estar inclinado), a indicação legal é para que não se punam estas jogadas. Essa premissa base foi aliás bem interpretada, em campo, por Ricardo Santos. O próprio protocolo refere que a alteração de uma decisão só pode ocorrer quando o erro cometido for claro e evidente. E ali claramente não foi", escreve o antigo árbitro na análise ao trabalho de Hugo Miguel.

Jiménez sofreu penálti

No capítulo dos casos com potencial impacto sobre o resultado final do jogo deste sábado - que acabou com uma vitória do Benfica por 1-2 - há outro lance que se destaca.

Ao minuto 38, Raúl Jiménez é atingido na face pelo cotovelo de Ailton e fica inclusivamente a sangrar em resultado do choque, depois da disputa de uma bola pelo ar.

O árbitro devia ter assinalado grande penalidade e mostrado o cartão vermelho a Ailton por conduta violenta na opinião de Duarte Gomes e dos três analistas de "O Jogo". No "Record", Marco Ferreira é o único a discordar por considerar que o choque é involuntário.