Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Ministério Público recebe queixa contra inspector da PJ que “queria arrumar o Benfica”

Pedro Fonseca, coordenador de investigação criminal, lembremos, foi o elemento que reportou a existência de uma alegada toupeira do Benfica no Campus da Justiça, dando origem ao processo no qual Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD, é arguido

Expresso

Carl Recine

Partilhar

O Ministério Público recebeu, na segunda-feira, uma denúncia anónima contra Pedro Fonseca, coordenador da Polícia Judiciária responsável pela investigação do caso dos e-mails, na qual este é retratado como o inspetor que “queria arrumar o Benfica”, revela o “Record” esta terça-feira.

Trata-se da segunda denúncia, no espaço de um mês, contra Pedro Fonseca. A primeira queixa indicava que este “esteve por trás” da estratégia montada “por quem roubou os e-mails do Benfica”.

“Essa estrutura atuou em conluio com elementos afetos ao poder Judicial e comunicação social na altura identificados. Faltou saber quem era o elemento dentro da investigação, que era a verdadeira toupeira que passava as sucessivas informações dos processos para os órgãos de comunicação social e redes sociais à revelia dos procuradores e do interesse da investigação”, lê-se, na segunda queixa recebida pelo MP.

De acordo com a segunda denúncia, o responsável pela passagem de informações é o inspetor Pedro Fonseca. Este é “reconhecido pelos próprios colegas que quer subir na estrutura sem olhar a meios, de desmedida ambição e que em múltiplas conversas não esconde o seu portismo e que queria arrumar o Benfica”, aponta a mensagem que o MP recebeu.

Pedro Fonseca, coordenador de investigação criminal, lembremos, foi o elemento que reportou a existência de uma alegada toupeira do Benfica no Campus da Justiça, dando origem ao processo no qual Paulo Gonçalves, assessor jurídico da SAD, é arguido.