Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Vida depois do Arsenal? “Vou descansar um pouco, mas continuarei a trabalhar, com toda a certeza”, diz Wenger

Questionado durante a conferência de imprensa prévia ao jogo com os espanhóis do Atlético de Madrid, para a Liga Europa, sobre o motivo de sair um ano antes do final do contrato, Arsène Wenger disse que a escolha do momento não foi sua decisão.

Lusa

Stuart MacFarlane/Getty

Partilhar

O treinador Arsène Wenger disse hoje que a decisão de deixar o Arsenal não partiu de si, mas do clube inglês de futebol que orienta há mais de 21 anos, e que não se irá reformar no final da época.

O francês, de 68 anos, anunciou na semana passada que deixaria os ‘gunners’ no final da temporada, acrescentando que se sentia ofendido com os crescentes protestos dos adeptos, que prejudicam a imagem do clube.

Questionado durante a conferência de imprensa prévia ao jogo com os espanhóis do Atlético de Madrid, para a Liga Europa, sobre o motivo de sair um ano antes do final do contrato, Arsène Wenger disse que a escolha do momento não foi sua decisão.

O treinador acrescentou que não tencionava se reformar, para já, nem se comprometer com outro clube enquanto estiver ligado ao Arsenal, abstendo-se, também, de dar parecer ou indicar o seu possível sucessor.

“Sinceramente, não sei o que vou fazer. Vou descansar um pouco, mas continuarei a trabalhar, com toda a certeza”, defendeu o treinador francês, que encara ainda a sua saída como uma forma de proteger a imagem do clube.