Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Amir devia ter sido expulso? Rúben Ferreira merecia o vermelho? O que dizem os especialistas em arbitragem sobre o Marítimo-FC Porto

O encontro entre os dragões e o Marítimo foi de difícil resolução e ficou marcado por duas expulsões por cartão vermelho direto - ambas para a equipa insular

Expresso

MIGUEL RIOPA/Getty

Partilhar

Ao marcar um golo aos 89 minutos, Marega salvou o FC Porto das muitas aflições possíveis para as últimas duas jornadas do campeonato.

O encontro entre os dragões e o Marítimo foi de difícil resolução e ficou marcado por duas expulsões por cartão vermelho direto - ambas para a equipa insular.

O juiz da partida, Carlos Xistra, esteve bem nos principais lances da partida, escrevem os especialistas em arbitragem do “Jogo” esta segunda-feira.

Minuto 40 - Amir devia ter sido expulso?

Ainda durante a primeira parte do encontro, o guarda-redes do Marítimo, Amir, foi expulso depois de derrubar Tiquinho Soares; levou vermelho direto. Esta decisão terá influenciado o rendimento da equipa insular já na segunda parte, quando jogou os segundos 45 minutos com menos um jogador.

Até esta expulsão, lembremos, as duas equipas estavam como que bloqueadas, nenhuma estava a dominar mais o jogo que a outra.

Para dois dos três especialistas em arbitragem do “Jogo”, Carlos Xistra analisou mal o lance.

“Amir cometeu falta grosseira e direta sobre Soares, derrubando-o fora da área em clara oportunidade de golo. Decisão disciplinar foi correcta, mas, previamente, Soares havia dominado a bola com o braço”, escreveu Jorge Coroado.

“Não foi. Soares comete uma infracção a jogar a bola com o braço direito, teria de ser punida essa infracção. No entanto, após essa falta, o guarda-redes tem uma entrada grosseira e que atinge Soares nas pernas”, apontou Fortunato Azevedo.

Minuto 96 - Rúben Ferreira merecia o vermelho?

Eis um momento para elogiar o vídeo-árbitro. Caso o VAR não existisse, é bem possível que Rúben Ferreira só tivesse levado um cartão amarelo de Carlos Xistra.

Contudo, os especialistas em arbitragem do “Jogo” concordam que o VAR fez bem em chamar o juiz da partida para ver melhor o lance. Gonçalo Paciência corria isolado em direcção à baliza do Marítimo. E assim saiu o segundo vermelho da partida.

“A questão que se coloca é: Paciência ficava isolado ou não? O VAR chamou Xistra para ver as imagens e, corretamente, tomou a decisão. Bem punido com vermelho”, escreveu José Leirós.